sexta-feira, 18 de agosto de 2017

ESCLEROCARDIA - SINTOMAS E CAUSAS


Em nossa língua, a raiz “cardio” é usada em palavras que fazem referência ao coração.  Algumas vezes, indicam problemas e doenças, como cardiopatia e taquicardia. Uma delas indica a esclerose do coração, que é a cardiosclerose. Na língua grega, na qual foi escrito originalmente o Novo Testamento, há o termo “esclerocardia”.
Ela foi a palavra usada pelos evangelistas para expressar o principal motivo ensinado por Jesus como o fator que levava à separação nos casamentos e à dissolução das famílias (Mt 19.8; Mc 10.4, 5). Ela significa dureza de coração.
            O maior perigo enfrentado por nossas famílias não é a incompreensão por parte dos cônjuges, ou os maus hábitos de alguns membros, nem as drogas, nem a violência na sociedade, ou mesmo a falta de respeito às autoridades. O maior perigo está bem mais próximo do que você imagina! Ele está dentro de nós. É a nossa “esclerocardia”. Os outros problemas surgem por causa da dureza de coração.   
   
            Quais os sintomas da “esclerocardia”?
A desobediência às ordens de Deus é o principal deles.
Quando o Antigo Testamento foi traduzido para o grego, os tradutores usaram o termo “esclerocardia” para descrever um coração incircunciso, que precisava submeter-se a Deus (Dt 10.16; Jr 4.4).
Deus havia estabelecido a circuncisão como símbolo de sua aliança com Abraão e seus descendentes (Gn 17.10-13). Ser circuncidado deveria significar que a pessoa submetia-se à soberana vontade de Deus, aceitando as condições impostas por Ele para quem quisesse fazer parte de Seu povo.
Com o passar do tempo, os israelitas começaram a tratá-la apenas como um ritual externo capaz de garantir automaticamente as bênçãos de Deus. Os que não faziam parte da aliança com Deus eram chamados de incircuncisos, considerados impuros moral e espiritualmente (2 Sm 1.20; Is 52.1). Um incircunciso não estava em condições de aproximar-se de Deus. Era tratado como imundo para participar do culto e da vida com Deus. Mas a palavra também indicava órgãos do corpo que não funcionavam adequadamente. Moisés disse que era incircunciso de lábios, isto é, não sabia falar bem. Deus afirmou que seu povo tinha ouvidos incircuncisos, pois não podia ouvir (Ex 6.12; Jr 6.10).
            Coração incircunciso era aquele que não havia se submetido à vontade de Deus, e que teimava em desobedecê-lo. Equivalia a alguém de pescoço duro, que rejeitava curvar-se para obedecer. Semelhante a um animal que não aceitava que o dono lhe colocasse as rédeas. A Bíblia chama isso de dura cerviz, referindo-se à recusa em aceitar as ordens de Deus (Ex 33.3,5). Era um coração incapaz de cumprir sua função de amar a Deus com toda a intensidade do ser (Dt 30.6).  Mesmo que a pessoa fosse circuncidada externamente, se ela não se submetia a Deus, ela sofria de “esclerocardia”.
            A dureza se manifesta numa recusa em arrepender-se e voltar-se para Deus, numa resistência ao Espírito Santo (Ne 9.29; At 7.51; Rm 2.5).  O rei Zedequias agiu assim. Ficou tão obstinado, que não quis voltar para Deus e, com isso, causou a destruição de sua família e do seu reino (2 Cr 36.13; 2 Rs 25.7).
            Deus trata a dureza de coração como uma provocação. É uma rebelião que provoca a sua ira (Hb 3.8).
Quando alguém fecha seus ouvidos para o que Deus fala e recusa obedecer ao que Ele ordena, está manifestando os sinais de “esclerocardia”.  A consequência disso será a destruição de sua família. Pois a desobediência a Deus, a falta de amor a Ele, aceitando Suas ordens e mandamentos, é a maior causa de desavenças familiares.

Quais as causas da “esclerocardia”?
O engano do pecado é uma delas (Hb 3.13). O pecado promete o que não pode entregar. Ele se apresenta com uma aparência atraente, faz os olhos brilharem, demonstra-se prazeroso, parece agradável, fascina, alimenta nossa esperança de satisfação e realização, mas nunca cumpre o que prometeu. Traz apenas frustração e decepção. Quantas pessoas sucumbem a este engano! Mesmo quando tudo está bem no lar, elas são atraídas pelas palavras enganosas do pecado, esperam algo melhor, e tal como Eva, destroem o paraíso que o lar poderia ser (Gn 3.6).
Algumas vezes um dos cônjuges se sente insatisfeito, não consegue lidar com as expectativas frustradas dentro do casamento. Então encontra outra pessoa que parece satisfazer aqueles anseios. E ele se deixa levar por este novo relacionamento. Pode até se desculpar pela infidelidade mostrando as falhas de seu cônjuge. No início do novo romance, parece que seus problemas foram resolvidos. Mas logo provará as consequências amargas de sua traição, pois seu coração endurecido continua com ele. É apenas questão de tempo para os mesmos sintomas se apresentarem.   
Outra situação bem comum é a de cônjuges que não conseguem acertar a contento suas diferenças e começam a pensar na separação como a solução. Acreditam que o divórcio resolverá suas brigas, pois pensam que as implicâncias, incompreensões e maus hábitos do outro são a causa dos seus problemas. Com o tempo, o divórcio provará que os problemas apenas mudaram de endereço, pois a esclerocardia continua.   
            A incredulidade tanto pode ser causa como sintoma desta doença (Mc 16.14). Jesus reprova a dureza de coração dos discípulos porque não haviam crido no testemunho dado sobre a ressurreição. A incredulidade manifesta um coração endurecido, mas também causa este endurecimento, trazendo a desobediência. Pois, quem não confia não consegue obedecer. O apóstolo Paulo enfrentou essa mesma dureza. Quando pregou a Palavra, alguns de seus ouvintes além de se recusarem a crer, ainda falavam mal do evangelho (At 19.9).
Essa incredulidade se manifestou em Faraó, que, mesmo presenciando os grandes milagres de Deus, recusava obedecer (Ex 8.15). Uma descrição bem clara de incredulidade e dureza aparece em 2 Reis 17.13-18, onde são apresentadas as razões para Deus permitir a invasão de Israel e o consequente exílio. É dito que o povo recusou atender às ordens de Deus e teimosamente decidiu não confiar. 
            Os problemas nos casamentos são resultados de falta de confiança na Palavra de Deus. Não acreditamos o suficiente para obedecer e esperar.   Queremos consertar com nossos recursos, fazer do nosso jeito.  Somos imediatistas, querendo soluções rápidas e fáceis.
Quando teimamos em permanecer endurecidos, a possibilidade de cura desaparece, seremos quebrados repentinamente, como um membro que é amputado porque não tinha mais jeito.
O homem que muitas vezes repreendido endurece a cerviz
será quebrantado de repente sem que haja cura.
Provérbios 29.1

6 comentários:

Anônimo disse...

Excelente meu irmão mesmo a distância tem nos edificado com a palavra de DEUS. Que DEUS continue lhe abençoando... Gilson e Nalva.


mary fashion disse...

Amem pastor.as consequências de um coraçao duro são tão dolorosas. Deus abençoe seu ministerio.

Flemilson Rodrigues disse...

Amém! Que o Senhor nos guarde. E obrigado pelos ricos conselhos, pastor Almir!

Geisa disse...

Que esclarecimentos maravilhosos.Deus seja louvado pela Palavra que nos ensina.

Camila Vieira disse...

Maravilhosa meditação

Rubens de Oliveira Rodrigues disse...

Que Deus nos ajude a vivermos longe dessa doença chamada esclerocardia.