quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

COMEÇANDO O DIA COM A MENTE CONCENTRADA


Concentrar é o ato de fazer convergir para um centro ou reunir num só lugar coisas ou pessoas. Quando aplicada à mente significa reunir todos os nossos sentidos e energias para um único centro de atenção. Concentrar é algo difícil, exige disciplina. Especialmente no mundo moderno, onde nossa atenção é convocada para vários lugares. Em alguns momentos gostaríamos de ter mais olhos, mais ouvidos, mais mãos, e acima de tudo mais do que uma mente. Mas, como não temos, precisamos escolher para qual centro vai nossa atenção.

A falta de concentração causa-nos transtornos, e algumas vezes, prejuízos. Podemos esbarrar nas pessoas, tropeçar em objetos, falhar ao cumprir as ordens, etc., por não estarmos concentrados. Nossa incapacidade de lembrar é porque faltou concentração na hora de aprender. Acidentes podem ocorrer por desconcentração. Às vezes temos que fazer uma coisa mais de uma vez simplesmente porque não estávamos concentrados quando fizemos pela primeira vez, reler um parágrafo ou voltar a página de um livro é um exemplo.

No caminhar com Deus também precisamos de concentração. Neste terceiro artigo sobre como começar bem cada dia de 2011, vamos falar sobre a concentração, ou melhor, o pedido para que Deus nos dê uma mente concentrada. A base deste pedido está no Salmo 86.11: Ensina-me, SENHOR, o teu caminho, e andarei na tua verdade; dispõe-me o coração para só temer o teu nome.

O salmo é uma oração, na qual o servo do SENHOR clama pelo socorro de Deus, pois ele se encontra numa situação de adversidade, provocada por inimigos que não temem a Deus. Além de clamar ele confessa sua confiança na misericórdia e grandeza incomparável de Deus. Só que ele não quer apenas ser salvo dos inimigos externos. Há um inimigo interior, seu próprio coração, que precisa da ação de Deus, pois de nada adiante ser salvo dos perigos externos, se formos deixados a mercê de nossa vontade inconstante e distraída.

Por isso ele pede que o Senhor o ensine, para que ele viva nos caminhos verdadeiros de Deus, e roga por um coração disposto para temer o SENHOR. O termo traduzido como “dispõe” ou “une” em nossas versões, traz a idéia de “ajuntar”; “unir-se a um agrupamento”, “reunir” (Gn 49.6; Is 14.20), ou “estar inteiro”, não quebrado (traduzido “incólume” no Sl 141.10). A versão grega do Antigo Testamento usou um termo que indica algo fixo e imóvel, como o navio encalhado na praia (At 27.40).

Podemos entender que o salmista está pedindo que Deus lhe dê um coração inteiro, não dividido, mas íntegro, um coração voltado para um só centro. Ele quer que todas as suas afeições sejam unidas num só propósito, que sua atenção tenha uma determinação exclusiva. Que ele tenha apenas um foco, voltado fixamente para um só centro. E este centro é o temor de Deus.

“Temor” é usado na Bíblia para expressar uma atitude de reverência e respeito; a emoção do medo; o pensamento que prevê o erro; um comportamento correto; e o ato de cultuar. Todos estes usos podem ser aplicados no nosso relacionamento com Deus. Mas o contexto deste versículo indica que o salmista está se referindo a uma atitude de um respeito saudável diante de Deus, que leva à obediência aos mandamentos dEle (Ex 20.20). Este temor é o que torna uma pessoa sábia (Pv 1.7), tal qual aquela que por ter visto os perigos da eletricidade, procura os modos adequados de lidar com ela.

Esta oração é necessária, pois o desejo de obedecer a Deus não é natural ao nosso coração pecaminoso (Rm 3.12). Além disso, enfrentamos a tentação de deixar que os cuidados, riquezas e prazeres da vida, e os demais desejos, concorram com a Palavra, e assim nos distraiam, amontoando-se em nossa mente, tomando nossa atenção e assim sufocando e tornando a Palavra infrutífera (Mc 4.19; Lc 8.14).

Muitas vezes nosso coração está partido, nossa mente dividida entre muitas atenções. Quantas coisas para fazer, quantas preocupações, mas também muitas atrações, muitos medos, temores, tentações, desejos, etc. Pegamos a Bíblia para ler, ou nos curvarmos para orar, e após alguns minutos nossa mente está voando em outras direções.

É preciso começar o dia clamando para que Deus nos dê uma disposição firme para manter como alvo fixo em nossa mente o desejo de obedecê-Lo, sem se desviar por causa de ameaças ou recompensas. Que as outras atrações sejam vistas como pouco compensadoras diante do prazer que a obediência a Deus nos traz. Sem concentração, deixando nossa mente distrair com outros centros, não iremos apreciar a Palavra e presença de Deus.

Além de um coração inclinado para Deus, olhos abertos para a Palavra de Deus, peçamos também uma mente concentrada em obedecer a Deus.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

AOS GUARDADOS


PARA OUVIR E MEDITAR
O que você costuma guardar? Todos nós guardamos algumas coisas. Alguns guardam dinheiro, outros boas lembranças, outros mágoas, ainda outros chaveiros, etc.

Este guardar exige algo de nós. Investimos tempo, espaço, dinheiro, esforço, desgaste emocional, etc., no ato de guardar alguma coisa.

Isto acontece porque guardamos o que valorizamos. Quando conservamos alguma coisa é porque consideramos que aquilo é de valor para nós. Ninguém guarda o que não tem valor para ele.

Mas além de guardar, também somos guardados. Nem sempre gostamos de ser guardados. Algumas vezes consideramos a proteção como uma limitação. Tal como a criança que os pais ficam segurando a mão para ela não se perder, mas ele grita querendo se ver livre para correr. Já outras vezes clamamos por alguém para nos guardar. Quando estamos num lugar perigoso, achamos que a proteção é extremamente valiosa.

Deus nos guarda. Talvez você pergunte: De que Ele me guarda? Para que Ele me guarda? Como Ele me guarda? Acesse o link abaixo, e na pasta Pregações no livro de Judas, você poderá ouvir a mensagem Aos Guardados, com as respostas a estas perguntas.

http://ww.4shared.com/dir/16177118/dda5c17d/sharing.html

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

COMEÇANDO O DIA COM OS OLHOS BEM ABERTOS


Nosso primeiro ato ao acordar é abrir os olhos, geralmente. Algumas vezes não é assim. Pode acontecer de não termos dormido bem, então levantamos e fazemos algumas coisas com os olhos ainda quase fechados. Outras vezes eles até ficam abertos, mas a mente continua dormindo. Os resultados de se começar um dia assim não são agradáveis. Podemos tropeçar, realizar ações trocadas (colocar o creme de barbear na escova de dentes), esquecer o que devemos fazer, não entender o que nos dizem, etc.

Sempre é bom começar o dia com os olhos bem abertos. Mas há outros olhos que precisam ser abertos no início do dia: os olhos para ver as maravilhas da Palavra de Deus. Se os olhos físicos podem ficar plenamente despertos com um pouco de água fria no rosto, nossos olhos espirituais dependem da graça de Deus para abri-los. Este é o segundo pedido que devemos fazer para iniciar bem nosso dia (continuando nossa meditação anterior).

O Salmo 119.18 nos ensina a pedir: Desvenda os meus olhos, para que eu contemple as maravilhas da tua lei.

“Desvendar” quer dizer tirar a venda. Foi usado nas Escrituras para referir-se a alguém que se desnudava, isto é, mostrava seu corpo; também quando contava um segredo, ou informava as pessoas de uma notícia (Gn 9.21; Pv 11.13; Et 3.14); e ainda para um texto que ficava aberto e disponível para quem quisesse ler (Jr 32.11,14) . Outro uso do termo foi para se referir a ação de Deus em se revelar aos homens (Gn 35.7; Am 3.7).

No salmo 119 é pedido que Deus desnude nossos olhos, e mostre sua revelação a nós, conte-nos abertamente a Sua verdade. Isto para contemplar as maravilhas da lei de Deus. “Contemplar” além de indicar o ato físico de ver, inclui o observar com interesse, de modo atento, procurando enxergar com aquilo que numa olhada superficial não é percebido. Nos versos 6 e 15 do mesmo salmo ele já havia usado a palavra com a idéia de mostrar consideração e respeito. O salmista está pedindo que Deus abra os seus olhos para que ele possa com atenção, apreço, ter o desejo de valorizar e obedecer ver a Palavra de Deus.

“Maravilhas” é uma palavra que de maneira predominante refere-se aos atos de Deus, sejam os cósmicos, ou os históricos. Mas também indica algo que está além das capacidades humanas, que é insolúvel ao intelecto humano. A Palavra de Deus contém as maravilhas de Deus, ela mesma já uma maravilha de Deus. Muitas vezes nós vivemos ou passamos por locais belíssimos, mas a pressa, a preocupação com outras coisas, distrações, etc., nos impedem de ver as belezas daquela paisagem. Assim também com a Palavra de Deus. Ela está cheia de maravilhas, mas quantas vezes a lemos e a ouvimos e não enxergamos estas belezas. É como se fosse mais um livro, mais uma leitura, mas uma informação a ser descartada, entre muitas!

Isto ocorre porque os pensamentos de Deus estão muito além dos nossos (Sl 139.6), são maravilhosos demais. Os olhos comuns não conseguem ver as maravilhas que Deus tem preparado para os que o amam (1 Co 2.9). Nós estamos cegos para estas verdades.

Esta cegueira é causada por uma ação de Satanás (2 Co 4.4), usando como ponte nosso desejo pecaminoso. Tal como crianças que brincam de cabra-cega, nossos olhos estão vendados com o pecado da ambição (Ex 23.8; Dt 16.19); da rejeição à Palavra (Is 6.10; compare com Dt 28.15,28s); de um coração endurecido (Mc 8.17,18); e do adultério (2 Pd 2.14).

Como pessoas que andam na escuridão, estamos tateando em meio às trevas do ódio e do rancor (1 Jo 2.11); da incapacidade de entender e aplicar corretamente a revelação de Deus (Mt 23.16,17,19,24,26); e da falta de percepção de que, além da realidade visível deste mundo, há uma invisível e mais importante (Mt 15.14).

Iguais a desatentos que não percebem os perigos do trânsito, estamos distraídos pelo desânimo, pela frustração e pelas falsas expectativas quanto ao plano de Deus (Lc 24.16); pela falta de diligência e aplicação em desenvolver o caráter cristão (2 Pd 1.5-9). Mesmo uma igreja pode se concentrar tanto nos valores deste mundo, que fica cega para as verdades mais valiosas e eternas (Ap 3.17).

Só uma ação de Deus pode tirar estas vendas dos nossos olhos e afastar-nos da escuridão, acendendo a Sua luz em nossa vida. A maneira como Ele faz isso é pela exposição de Sua palavra (Lc 24.27,31; At 26.18). Esta iluminação nos fará ver as riquezas maravilhosas do plano de Deus (Ef 1.18)

Nossos olhos são de extrema importância. São eles que iluminam minha vida. Jesus disse que aquilo no que eu concentro os meus olhos determina minha vida (Mt 6.22,23). Comece seu dia, com a Bíblia na mão, clamando a Deus para abrir seus olhos, de modo que possa ver as maravilhas da Palavra Dele. E assim todo seu dia será iluminado.

Enquanto Oh Salvador, teu livro eu ler, Meu olhos vem abrir pois quero ver

Da mera letra além a Ti Senhor, eu Venho a ti Jesus Meu salvador.

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

PARA INICIAR BEM CADA DIA DE 2011

Por estar viajando não pude desejar meus votos de um feliz 2011, logo no dia primeiro, portanto faço isso agora. Gostaria de que eles fossem acompanhados de umas dicas para que cada dia deste ano comece com um profundo senso de satisfação em Deus. Elas me foram passadas no livro QUANDO NÃO DESEJO DEUS, de John Piper. De fato, estas dicas são pedidos de oração que se encontram nas Escrituras. Hoje compartilho o primeiro, depois virão os outros.

Este primeiro pedido é para que Deus incline nosso coração para Sua Palavra: Inclina-me o coração aos teus testemunhos e não à cobiça (Salmo 119.36). A palavra “inclinar” em seu sentido primário traz a idéia de se dirigir ou deixar-se levar para algum lugar ou para alguém. Quando se refere ao coração, ela tem o sentido figurado de “ter o desejo por” ou “ter a disposição de” fazer algo ou seguir alguém (1 Sm 14.7;Jz 9.3), indicando uma tomada de decisão de fixar a mente em algo. A oração do salmista pede que Deus faça com que ele decida-se por desejar a Palavra de Deus, e tenha disposição de segui-la.

Nosso coração sempre amanhecerá inclinado a algo, ele nunca está neutro. O homem sempre tem algum alvo em mente. O esforço e o empenho fazem parte de sua natureza. Deve procurar possuir, e deve se comprometer com algo (NDITNT, vol 3, pg.153). Nosso modo de pensar irá refletir nossa natureza. Nossos desejos e empenho mostram o que de fato somos. Esta inclinação irá dirigir todos os aspectos de nossa vida, e também determinará nosso destino (Romanos 8.5-7).

Por causa de nossa natureza pecaminosa, a inclinação comum é para mal, que nas palavras do salmista é ilustrado pela cobiça, desejo de adquirir bens por modos pecaminosos. Estes bens podem ser riquezas, fama, posição, etc. Nas palavras de Romanos 8.6,7, nossa carne não está sob a lei de Deus, e nem tem o poder de estar. Quando ela dirige nossa vida, nossa mente irá se fixar no que é pecaminoso, isto nos coloca em inimizade contra Deus, e resultará na nossa morte.

Temos um coração propenso para a idolatria (Josué 24.23), a qual nos engana a ponto de não percebermos como sua prática é insensata (Isaías 44.40, “inclinar” foi traduzido como “iludir”). Ele também é inclinado à sedução do sexo sem o compromisso do casamento (Pv 7.21, “inclinar”, traduzido como “seduzir”), ou para companhias de pessoas más. Por isso o salmista também nos ensina a pedir que Deus não deixe o nosso coração se inclinar para o mal: Não permitas que meu coração se incline para o mal, para a prática da perversidade na companhia de homens que são malfeitores; e não coma eu das suas iguarias (Sl 141.4).

Esta inclinação má nos acompanha em toda nossa vida, só no céu estaremos completamente livres dela. Mesmo na velhice corremos o risco de se inclinar para agradar outros amores que pervertem o nosso coração (1 Reis 11.2,3,4,9 nestes versos o termo “inclinar” é traduzido como “perverter” e “desviar”). Por isso esta oração deve ser constante e diária, para que tal como o salmista possamos inclinar nosso coração para guardar as palavras de Deus para sempre, até ao fim (Salmo 119.112, “inclino” foi traduzido “induzo”)

A presença de Deus é necessária para fazer com que nosso coração O deseje: O SENHOR, nosso Deus, seja conosco, assim como foi com nossos pais; não nos desampare e não nos deixe; a fim de que a si incline o nosso coração, para andarmos em todos os seus caminhos e guardarmos os seus mandamentos, e os seus estatutos, e os seus juízos, que ordenou a nossos pais. (1 Reis 8.57,58).

Nossos primeiros pensamentos afetam o resto do nosso dia, portanto comecemos o dia, pedindo que Deus incline nosso coração para Sua Palavra. Que esta oração lhe traga vida e paz em todos os dias de 2011 (Romanos 8.6).