quarta-feira, 29 de junho de 2011

A Bondade de Deus


Compartilhando leitura:

Vê-se a bondade de Deus na variedade de prazeres naturais que Ele providenciou para as Suas criaturas. Deus poderia ter-Se satisfeito em saciar a nossa fome sem que os alimentos fossem agradáveis ao nosso paladar - como Sua benignidade transparece nos diversos sabores que Ele revestiu os diferentes tipos de carne, vegetais e frutas! Deus não nos deu somente os sentidos, mas também nos deu aquilo que os agrada; e isso também revela a Sua bondade. A terra poderia ser tão fértil como é, sem a sua superfície ser tão deleitosamente variegada. A nossa vida física poderia ser mantida sem as lindas flores para encantarem os nossos olhos e para exalarem suaves perfumes. Poderíamos andar pelos campos, sem que os nossos ouvidos fossem saudados pela música dos pássaros. Donde, pois, esta beleza, este encanto, tão livremente difundido pela face da natureza? Verdadeiramente, "O Senhor é bom para todos, e as Suas ternas misericórdias são sobre todas as Suas obras" (Salmo 145.9)

OS ATRIBUTOS DE DEUS, de A.W. Pink. Publicações Evangélicas Selecionadas, 1990. Pg. 61

Este pensamento ajudou-me a encontrar a resposta para uma pergunta feita por um amigo há mais de dez anos. Porque não matamos nossa fome com alfafa, e preferimos um suculento e gostoso bife? A bondade de Deus criou gostos em nosso paladar, e providenciou sabores para satisfazê-los.


sábado, 25 de junho de 2011

A quem honra, honra


A graça de Deus chega a nós de várias maneiras, e uma das mais comuns é através de outras pessoas. Deus usa homens e mulheres como canais para fazer as águas de Sua graça abençoarem outras vidas.

A graça de Deus chegou a alguns de nós através da vida do Pastor Thomas Flenner Willson, mais conhecido como Pr. Tomé ou “seu Tomé”. Ele foi um dos pioneiros no trabalho evangélico aqui no Cariri.

Além de contribuir com seu trabalho para a evangelização, fundação de igrejas, ensino nas escolas seculares, inclusive na Universidade, também foi diretor, deão acadêmico e professor no Seminário Batista do Cariri. Tendo influenciado várias gerações de obreiros formados naquele seminário.

O Pr Tomé serviu a Deus aqui em nossa igreja por dez anos (1979-1988). Aqueles que são mais antigos na igreja podem lembrar de suas pregações, aulas na Escola Dominical, e como se voluntariava para discipular os novos convertidos. Atualmente ele mora nos EUA com duas filhas.

No dia 25 de maio ele completou 87 anos. E quero aproveitar este boletim para homenageá-lo. Pessoalmente sou muito devedor ao Sr. Tomé. Sem dúvida ele foi uma das pessoas que mais marcou a minha vida. Quero alistar alguns fatos:

Quando tomei a decisão de estudar em um seminário, escrevi para todos do Brasil, pois não sabia onde deveria estudar. Foi o Sr. Tomé aquele que mais rapidamente respondeu, e se prontificou a me ajudar a chegar aqui, minorando algumas dificuldades que eu enfrentava então. Esta carta teve um papel determinante em minha decisão de estudar no SBC. Posso até dizer que, se cheguei a estudar no SBC foi por causa desta carta incentivadora que ele me enviou.

Aqui foi professor exigente e dedicado, buscando que eu desse o meu melhor nos estudos e no trabalho. Esforçou-se sobremaneira para que eu pudesse fazer o mestrado. Inclusive custeando as mensalidades e viagens que eu tinha de fazer.

Se voltei para o Cariri, depois de formado, para ensinar no SBC, muito se deve ao Pr Tomé. Tanto incentivou os membros do conselho a me convidarem como me incentivou a aceitar. O mesmo se deu quanto ao pastorado da Igreja de Novo Juazeiro. Tenho certeza que sua palavra teve muito peso aqui, além de ter fortemente me aconselhado a aceitar este convite.

Se hoje sou convidado a pregar em vários lugares deste país, o seu Tomé também foi instrumento nisso, indicando meu nome para as igrejas, e muitas vezes, ele deixava de ir quando convidado, e cedia o lugar para mim.

Sempre tratou minha família com muito carinho. Quando chegamos ao Cariri e não tínhamos casa para morar, ele nos acolheu em sua casa.

A graça de Deus usou o Pr Tomé para que chegasse onde estou hoje. Ele me serve de exemplo, fazendo-me ver que sou canal através do qual a graça de Deus deve fluir para outros.

OBRIGADO SENHOR, PELA VIDA DO PR. TOMÉ, ajuda-me a ser para outros um pouco do que ele foi para mim.

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Por que Deus deixa que seja destruído o que nos é valioso?


Um dos textos da nossa campanha de oração foi o salmo 74. Este salmo é uma oração em forma de poesia. Nela o autor implora o socorro de Deus porque o templo tinha sido destruído pelos inimigos e estava em ruínas.

O templo, ou santuário, era algo de muito valor para o israelita. Começara como um tabernáculo, uma tenda no deserto. O próprio Deus ordenara sua construção, Êxodo 25.8. Ali ele é chamado de santuário, isto é lugar determinado para ser sagrado, separado, consagrado para Deus. Deus diz que por este santuário habitaria no meio do povo. Treze capítulos do livro de Êxodo são destinados para falar das instruções e construção do mesmo. Deus determinou tanto o material que seria usado, como cada detalhe da construção. O próprio Deus mostrara o modelo a Moisés, Ex. 25.9. Deus também escolheu e habilitou os artistas que fariam esta construção, Ex. 35.30-35. Por causa de tudo isto, este tabernáculo era belo.

Mas, seu maior valor não vinha do fato de ser rico e belo, e sim porque era a habitação de Deus. O próprio Deus deixa isto claro em sua inauguração, quando Sua glória enche aquela tenda, Ex. 40,34s. Dali Deus passou a orientar Seu povo na caminhada no deserto. Sempre que o povo acampava o tabernáculo ficava no meio do acampamento, e as tribos de Israel em volta. Deus era o Rei de Israel, e o tabernáculo era Seu palácio, era também chamado de tenda da congregação, porque nele Deus se encontrava com Seu povo. A arca, que era símbolo do trono de Deus estava nele.

Nele o povo fazia suas orações, como Ana quando pediu um filho, sacrificava suas ofertas de arrependimento pelos pecados e gratidão pelas bênçãos recebidas. Nele eram realizadas as comemorações anuais, quando o povo deixava seus afazeres e se dirigia para festejar relembrando as bênçãos de Deus. Era o centro de Israel.

O rei Davi planejou construir um prédio, no lugar da tenda, para ser o templo de Deus. Deus aprovou sua idéia, mas disse que o filho de Davi, Salomão, construiria. Davi preocupou-se em deixar todo o material e as recomendações necessárias para esta construção, 1 Crônicas, 29. Ele mesmo menciona que a obra era grande porque não seria um palácio para homens, mas para Deus, 1 Cr 29. 2. Cinco capítulos de 2 Crônicas e 3 de 1 Reis são para descrever esta construção. E na inauguração deste templo a glória de Deus também o enche. Salomão faz uma oração de dedicação, e nesta oração ele diz que aquela seria uma casa de oração para todos os povos. Simbolicamente seria o lugar onde Deus atenderia tanto o povo de Israel como os outros povos em audiência.

Os israelitas devotos tinham esta casa na mais alta estima. Os salmos 84, 122, manifestam o amor que os salmistas tinham por este lugar. O salmo 42 conta-nos da saudade que um exilado tinha daquele lugar. Os israelitas idólatras passaram a ver o templo como algo mágico, no tempo do profeta Jeremias, eles acreditavam que Deus nunca castigaria a cidade, já que o templo estava ali.

Mas Deus permitiu a destruição do templo. Ele ficou em ruínas. Por que Deus permitiu que algo tão valioso fosse destruído pelos inimigos do Seu povo?

Hoje nós também temos muitas coisas de valor, coisas boas, criadas por Deus, dadas por Ele, que funcionam como sinais de sua presença e bênção sobre nós. Saúde, família (cônjuges e filhos), amigos, uma igreja onde podemos servi-lo, um emprego, missionário e pastores atuantes, etc. E algumas vezes Ele também permite que estes “santuários” seja destruídos, arruinados. Por quê?

Refletindo sobre isto cheguei a algumas conclusões que quero compartilhar: 1) Deus quer nos mostrar que pode atuar sem seus símbolos, mesmo sem o templo Ele continuou atuando na história de Israel. 2) Deus quer nos ensinar a não idolatrar nenhuma de suas bênçãos. Ele quer que nós o adoremos, e não adoremos seus dons. Os dons são instrumentos para nos aproximarmos Dele, e não para nos desviar Dele. Muitas vezes nos concentramos tanto nas bênçãos que esquecemos do Deus que nos dá a bênção. Devemos lembrar que o maior valor é Ele. 3) Deus quer testar nossa fé. Quer que verifiquemos se ela está fundada Nele, ou em coisas visíveis. Ele quer que conheçamos se nós vamos continuar fiéis a Ele mesmo quando o que Ele nos der for retirado. 4) Deus quer nos laçar em Seu colo. É nas horas de aflições, de perdas de algo valioso, que os fiéis se voltam para Deus de modo mais intenso em oração. 5) Deus quer nos fazer refletir sobre o que tem valor de fato em nossa vida. 6) Deus usa nossas perdas para edificar outros, se não fosse a destruição do templo não estaríamos aprendendo com o salmo 74 hoje.

Vamos ser gratos pelas coisas valiosas que Deus nos deu. E continuar confiando Nele quando permitir que estas nos sejam tiradas.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Até que entrei no santuário e entendi o fim deles...



Quando olhamos alguém bordando um tecido, nem sempre compreendemos de imediato o desenho, especialmente se o bordado estiver em seu início. Algumas vezes a pessoa que está bordando nos mostra um detalhe de sua obra, e aquele detalhe não tem significado para nós, mas a pessoa que está bordando já tem em mente o desenho completo, em sua perspectiva ela compreende bem a razão daquele detalhe. Nós muitas vezes, só compreendemos quando olhamos o bordado já completo. Na vida também acontece isto. Certos acontecimentos parecem sem sentido, se tomados de forma isolada, mas quando observados da perspectiva de quem já tem a idéia completa, compreende-se o sentido daquilo.

O autor do salmo 73 passava por um grande conflito espiritual. Ao observar a prosperidade dos ímpios, e experimentar aflição diária em sua própria vida, ele questiona de fato valia a pena ser justo. Ele mesmo testemunha que, por conta deste conflito, ele quase perdeu a fé em Deus.

A solução para o seu dilema veio quando ele entrou no santuário de Deus e entendeu. Algumas vezes enfrentamos dificuldades na vida e ficamos tentados a desanimar de seguir a Jesus. Olhando da nossa perspectiva da terra não entendemos a razão daquilo, mas quando observamos da perspectiva de Deus, entendemos.

As atitudes que o salmista tomou podem nos ajudar nestas situações. Vamos observá-las.

Em primeiro lugar, ele continuou indo ao santuário de Deus mesmo quando estava atormentado por dúvidas. Uma de nossas tentações, quando em problemas, é parar de chegar perto de Deus, seja pela ida a igreja, ou leitura da Bíblia, e até oração. O triste da história é que justamente nestes momentos quando mais precisamos destes meios de graça. Somos como pessoas doentes, que por conta de sua fraqueza não conseguem comer, na hora que elas mais precisam se alimentar. O santuário de Deus nos dá a visão correta, faz com que percebamos a perspectiva correta da coisa.

Não abandone a leitura das Escrituras, pois a lei do Senhor é perfeita e restaura a alma. Ela tem o poder de nos reanimar diante das dificuldades. O rei Davi testemunhou isto de modo insistente no salmo 119. O Senhor Jesus nos disse que suas palavras nos daria ânimo em meio as aflições do mundo, João 16.33. A oração também outra fonte de ânimo. Chegar diante de Deus e derramar nossos conflitos é o modo de nos aliviarmos com a pessoa certa. Ana experimentou este alívio em 1 Samuel 1.18. Jesus também disse que a oração era um modo de nos alegrarmos, João 16.24.

O freqüentar a igreja também pode nos reanimar. Através da Palavra, do testemunho de alguém, de um cântico, ou até de observamos a fidelidade de outros que passam por dificuldades iguais ou maiores que as nossas, podemos ter nossa fé avivada. Estas coisas podem nos fazer sentir melhor.

Mas, não devemos entrar no santuário para apenas nos sentir melhor, devemos procurar entender. O salmista disse que entendeu, isto é, conseguiu compreender, discernir, saber algo. Nosso chegar a igreja deve ser para aprender a verdade ou mesmo ser relembrados dela. O sentir-se melhor sem entendimento não tem alicerces sólidos. Logo o vento de outros sentimentos podem soprar e derrubar. Mas quando entendemos, damos suporte seguro aos nossos sentimentos.

A igreja existe para ser coluna e baluarte da verdade , 1 Timóteo 3.15. Seu principal papel é testemunhar da verdade. Uma das coisas que Jesus mais fez durante seu ministério foi ensinar. Os apóstolos tiveram esta preocupação também. A mudança em nossas vidas vem renovação da mente, Romanos 12.2. é preciso entender as coisas do modo correto para crescer. É preciso saber a verdade para vencer na crises. É preciso conhecer a vida do ponto de vista de Deus.

A igreja pode fazer você sentir-se melhor, mas o que de mais importante ela pode fazer por você é ajudar você a conhecer a verdade. Venha a Igreja par aprender.

Oração do Salmo 73


Fixa meu olhos em Ti, meu Deus.

Que eu não inveje a prosperidade

Daqueles que recusam ser teus

Mas que os contemple com piedade


Parece que não têm sofrimento

Que as dores só os rondam de longe

Que a fartura só lhes dá aumento

E que são imunes à sede e à fome


A arrogância, acham bonito

Com a riqueza fazem maldade

A violência é o seu vestido

E dizem que o Senhor nem sabe


Olhando prá eles minha fé vacilou

Pensei abandonar minha pureza

Considerei inútil viver com valor

Pois aflição me vinha com presteza


Se assim falasse teria traído

Os que acreditam na Tua bondade

Pois seria algo sem sentido

Tanto desprezo pela verdade


Então entrei na Tua presença

Escutei na Tua Palavra

O fim que se lhes apresenta

Ruína, morte, desgraça


Sua vida é como um sonho

Que se acaba bem depressa

Como um andar bisonho

Que escorrega numa queda


Com amargura d'alma

Portei-me como um bruto

Mas Tua destra me salva

E faz sentir -me seguro


Tu és meu único desejo

Aí no céu e aqui na terra

Mesmo quando desfaleço

Minha alma a Ti elevas