sábado, 1 de maio de 2010

DO QUE MEU FILHO PRECISA?


Uma das preocupações dos pais é prover os seus filhos daquilo que eles precisam. É normal que os pais queiram dar o melhor para os filhos. Mas, como saber o que é o melhor para eles? Não podemos nos guiar pelo que nossos pais nos deram, pois os tempos são outros. Também não podemos dar tudo que as crianças querem, pois elas não têm idade suficiente para saber o que é bom para elas.

Ainda não posso fazer como todos os outros fazem, porque o que é bom para uns, nem sempre é o ideal para os outros. Não nos sentimos sábios o suficiente para deixarmo-nos levar por nossas próprias idéias. E aí, o que fazer?

Aqueles que acreditam que a Bíblia é a Palavra de Deus podem ter uma resposta segura para esta pergunta. Pois Deus, o Pai perfeito, que sempre dá o melhor para os Seus filhos, revelou o que é melhor para darmos aos nossos filhos. Neste artigo vamos ver que as crianças precisam de instrução.

Um dos termos para “criança” no AT descreve pessoas numa ampla faixa etária, desde alguém de poucos meses, como Moisés em Ex 2.6, até José já com dezessete anos (Gn 37.2) passando por Absalão com idade de guerrear (2 Sm 14.21; 18.5), e jovens em idade de casar (Gn 34.19). Por isso a palavra é traduzida como criança (Pv 20.11; 22.6), menino (1 Sm 1.22), moço (2 Sm 17.18), jovem (Pv 1.4), etc.

Em Provérbios 1.8, lemos que estas pessoas (do nascimento até a idade de casar) precisam instrução para ter conhecimento. Este conhecimento inclui capacidade para saber o que é melhor (Pv 24.5). Também indica a posse de uma habilidade técnica específica (Ex 31.3), e discernimento moral do certo e errado (Gn 2.9).

Esta instrução também deve dar bom siso para a criança. Esta expressão, “bom siso”, significa habilidade para considerar e fazer planos. Uma criança instruída será capaz de tecer propósitos sábios para a vida.

A instrução apropriada tem como base o temor do Senhor. Ela capacita a criança a levar Deus em consideração em todos os seus caminhos (Pv 1.7).

Uma criança instruída seguirá o bom caminho por toda a vida (Pv 22.6). Este versículo nos mostra que uma criança iniciada, isto é, desde pequena dedicada ao caminho correto, ela assumirá isto como um costume, um hábito em sua vida, e mesmo quando envelhecer não se afastará deste caminho. Um dos exemplos bíblicos é Moisés. Que foi educado quando criança por sua mãe (Ex. 2.9,10), e mesmo depois de ter sido levado para o palácio do Faraó e recebendo toda instrução do Egito não se esqueceu de seu povo (At 7.22,23)

Os bons resultados de uma criança bem ensinada servem tanto aos pais como às próprias crianças. Para os pais este filho trará alegria e não tristeza (Pv 10.1; 23.15,16)

Já as crianças que aceitam a instrução dos pais ganham vida, proteção, glória e honra conforme Provérbios 4.1-9.

A fonte desta instrução é a Palavra de Deus (Dt 4.6,7). Nela encontramos os conselhos divinos, que tornarão as crianças hábeis em saber o que é bom e o que é ruim. Nela estão ensinos que capacitarão nossos filhos a aprenderem a fazer planos que serão bem sucedidos. Nela eles aprenderão a temer a Deus.

Mais do que presentes, conforto financeiro, e outras coisas mais, nossos filhos precisam da nossa instrução. Os pais devem lembrar que são os primeiros professores de seus filhos. Quer queiram ou não, as lições que ensinarem para eles, irão acompanhá-los por toda a vida. É quase impossível mensurar a influência que os pais têm sobre os filhos.

Alguns pais têm passado esta responsabilidade para a TV, a babá, a creche, a igreja, etc., mas este privilégio e responsabilidade foi dado por Deus aos pais.

Seu filho precisa de instrução. Ele tem recebido?

Um comentário:

Pastor Edson Sobreira Alves disse...

Pastor! É muito importante chamar a atenção dos pais para meditarem nas verdadeiras necessidades dos filhos, podemos perceber que nossos filhos então envolvidos muito com o mundo que entra pelos meios de comunicação em nossa casa, TV e Internet, como o senhor mesmo comentou, e os pais cristãos estão relaxando nesta responsabilidades, os resultados negativos estão refletindo em nossas igrejas, adolescentes e jovens sem compromisso. Temos que ter cuidado, apesar da idade difícil da fase da adolescência, a negligência dos pais está aumentando as fileira dos problemas com os filhos porque os pais não dão aquilo que os filhos precisam, mostrar o temor ao Deus que eles devem conhecer.
Um abraço. Se o senhor tiver tempo entre em meu blog: http://edsonsobreira.blogspot.com
tenho publicado algumas mensagens.