quinta-feira, 24 de novembro de 2011

DUAS CASAS, UMA TEMPESTADE, DOIS DESTINOS


Sendo um excelente comunicador, Jesus desenhava e pintava seus ensinos na mente dos ouvintes. Ele usava ilustrações e figuras que facilitavam a compreensão e a memorização de suas idéias. Uma destas ilustrações fala de duas casas (Mateus 7.24-27; Lucas 6.46-49).
            As duas casas poderiam ser iguais na aparência. Ou, talvez, uma delas fosse mais bonita, mais rica, mais luxuosa, mais atraente, etc. Mas havia uma diferença significativa entre elas, e esta não era aparente.  Quem passasse por aquelas casas não notaria esta diferença de imediato, teria que ser um bom observador para perceber. Mas esta diferença iria marcar os destinos daquelas casas.
            As duas casas enfrentaram uma tempestade. Uma mesma tempestade. Tempestade que trouxe ventos fortes e chuvas que se transformaram em enchentes. Foi aí que a diferença apareceu. Quando a tempestade passou as pessoas viram que uma casa ainda estava de pé, mas a outra havia desabado. Uma casa resistiu à tempestade, outra foi destruída por ela.  Qual era a diferença?
            Os alicerces. Uma casa tinha alicerces firmes, sobre a rocha, em cima de chão resistente. A outra fora construída sobre areia, sem firmes fundamentos. Os alicerces não apareciam para quem observasse depois das casas construídas, mas fizeram a diferença quando a tempestade apareceu.
De fato a diferença também estava além dos alicerces, estava nos homens que haviam construído as casas. Um deles cavou até que aparecesse o solo firme, a rocha, para então começar a construir. Ele trabalhou, esforçou-se, preocupou-se com a segurança de sua casa. Levou em conta que as tempestades poderiam surgir. Foi previdente. Já o outro não quis ter este trabalho. Construiu a casa na superfície. Foi imediatista, queria uma casa logo, não queria ter trabalho. Não pensou na segurança. Talvez imaginou que a vida sempre seria fácil, que as tempestades não surgiriam. Não foi previdente.
O que Jesus queria ensinar com esta ilustração? O que ele queria dizer com casa, tempestade e alicerces? 
As casas são nossas vidas. Os alicerces são o ouvir e obedecer aos ensinos de Jesus. Quem apenas ouve os ensinos de Jesus, e apenas confessa que O segue, sem de fato obedecer aos seus ensinos, esta construindo uma vida sem alicerces. Aquele que não apenas ouve e confessa, mas também obedece, está edificando uma vida com alicerces firmes. Um dia virá a tempestade. A grande tempestade, que testará nossas vidas. Quem ouviu e obedeceu ficará firme, quem apenas ouviu será arruinado.
Algumas pessoas acham fácil seguir a Jesus, pois estão seguindo apenas de ouvido e de boca, mas não estão obedecendo, e nem querem obedecer. Quem olha para elas pode até achar que de fato elas são fiéis seguidoras de Jesus. Mas a tempestade irá mostrar que elas não têm alicerces. Já outras pessoas sabem que seguir a Jesus envolve o custoso trabalho de obedecer, estão com as vidas edificadas sobre a rocha. Uma permanecerá, outra será destruída. Qual é a casa que moramos?

Um comentário:

Rosália disse...

como sempre para a honra e glória de DEUS,suas meditações são maravilhosas e edificantes; o SENHOR continue a te usar e abençoar grandemente amado pastor.