segunda-feira, 26 de setembro de 2011

VISTA CANSADA




Recebi uma apresentação do texto “Vista Cansada” de Otto Lara Resende, onde ele discorre sobre a banalização do nosso olhar.  
De fato temos a vista cansada.
Por ver todos os dias, nossos olhos se acostumam, então eles olham, mas não veem. Pensamos que vemos, mas não vemos. A familiarização torna nossos olhos opacos. Olhar uma cena que contemplamos todos os dias é como olhar para o vazio.
Creio que isso se deve a nosso prejulgamento. Noto isso na leitura. Algumas pessoas leem errado, não porque não saibam identificar os símbolos, mas por pressuporem o que está escrito. Antes de ler de modo completo a palavra ou frase, elas recitam o que pensam que leram, e não o que de fato está escrito. 
Fazemos isso também no ouvir. Alguém fala alguma coisa, prestamos atenção apenas nas primeiras palavras, e deduzimos o restante. Quanto problema de comunicação isso acarreta! É como se disséssemos "já sei o que você vai dizer", e desligássemos para o que a pessoa de fato diz.
O mesmo ocorre quanto aos olhos. Falamos para nós mesmos "isso eu já estou cansado de ver", e mudamos o olhar para outras coisas. Pensamos que vemos, mas não vemos.
Estes pré-juízos são causados por nosso orgulho. E como somos prejudicados por isso. Perdemos muita beleza do dia a dia. Não percebemos nossos filhos crescerem, as estações mudarem, etc.
Reclamamos que nada acontece de novo, que a vida é a mesma rotina. Isto porque não vemos o que está acontecendo ao nosso redor. Quantas maravilhas! Mas estamos acostumados com a mesmice do nosso olhar, não da vida.
As oportunidades surgem, mas não vemos. As pessoas nos amam, mas não vemos. Deus se apresenta, mas não vemos.  
Isto aconteceu com os contemporâneos da época de Jesus. Por não serem cegos, estarem acostumados a ver, não viram o Filho de Deus em Jesus. Não viram a chegada do Messias. Eles só viram mais um mestre, mais um rabi, ou mesmo mais um profeta, ou até mesmo, mais um operador de milagres, isto é, pensaram que viram aquilo que já estavam acostumados a ver, o que já fazia parte de sua visão opaca e cansada (João 9.39; Lucas 8.10).
Isto também acontece com nossa leitura da Palavra de Deus, de tão acostumados com ela, não vemos o que ela nos diz. Perdemos a noção de que, quando lemos a Bíblia, Deus está falando conosco. Ouvimos, mas não entendemos. Vemos, mas não percebemos.  
Podemos terminar a vida com olhos vazios. Mesmo com olhos, somos como cegos no mundo. Só a Luz do Mundo, Jesus, pode nos curar deste olhar cego, que vê, mas não enxerga (Jo 8.12; 9.39). Só assim, vamos enxergar as maravilhas que Deus tem preparado para nós (1 Co 2.9).
Precisamos clamar: “TIRA A VENDA DOS MEUS OLHOS PARA QUE EU POSSA CONTEMPLAR AS MARAVILHAS DAS TUAS INSTRUÇÕES”, como no Salmo 119.18.

5 comentários:

Katia Pires disse...

Pr gostei muito do texto, fez-me refletir bastante! Obrigada por compartilhar! vou postar no meu twitter

Antonio Marcolino Tavares. disse...

Parabéns por mais esta oportuna e edificante mensagem.
Deus te abençoe.

Janete Maia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Janete Maia disse...

Maravilhosa mensagem!
Somos como pessoas que todos os dias passam pelo mesmo caminho, apressadas com os compromissos da vida e não percebemos uma flor na beira da estrada. Não percebemos a beleza, não percebemos os perigos, pois a autoconfiança nos torna assim. Então, num certo dia, tropeçamos por não notarmos, também, a pedra. Isso me fez lembrar a passagem em que o Apóstolo Paulo fala de que quando ele está fraco é que está forte

GRAMÁTICA TEOLÓGICA disse...

Penso que, nas muitas vezes em que nos desafiamos a ler anualmente as Escrituras, este é um dos erros mais comuns que cometemos! Mas que Deus nos dê desejo pelo leite genuíno de maneira que não nos contentemos com o comer sem alimentar-nos, ou melhor, o olhar sem ver o que o SENHOR nos concede! Obrigado pela meditação edificante!