sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

UMA ILUSTRAÇÃO DA INTERAÇÃO ENTRE A SOBERANIA DE DEUS E A AÇÃO HUMANA.


Atos 27:9-28.10 é um texto intrigante. Além de outras lições, penso que podemos aprender algo sobre o relacionamento entre a soberania de Deus e a decisão humana.Faz parte da narrativa onde Lucas relata a viagem que fez acompanhando Paulo à Roma. 
            Neste ponto da viagem, eles já haviam ultrapassado metade do mês de setembro, e os romanos consideravam a viagem marítima depois de 15 de setembro muito duvidosa. Por isso Paulo aconselhou que o correto era passar o inverno onde estavam, pois continuar naquele momento traria grande prejuízo para todos.
            No entanto o chefe militar, que era o encarregado dos presos, prefere acreditar nos técnicos (piloto e o mestre do navio). A maioria também considerava o lugar onde estava inconveniente para passarem o inverno, e preferia um outro porto. Além disso, as aparências eram de que o vento sopraria tranquilo até que o navio chegasse ao lugar que consideravam apropriado. 
            Mas, em pouco tempo tudo mudou! Um tufão arrastou com violência o navio. A carga deve que ser lançada no mar. Depois se desfizeram também da armação do navio. Muitos dias no escuro, sem sol nem estrelas, e mais tempestade batendo no navio, a esperança e o apetite também foram embora.
            Paulo sofria sem culpa. Ele havia advertido do perigo, mas a maioria decidiu continuar a viagem. Algumas vezes o nosso sofrimento é resultado da escolha de outros. Avisamos e alertamos, mas os que nos acompanham teimam em prosseguir no que vai dar errado, e nem sempre conseguimos ou podemos abandonar o barco! Então, a tempestade se abate sobre nós também, e sofremos o prejuízo junto com outros. Nestas horas devemos lembrar: há um Deus no controle, Ele cuida de nós. Nossas vidas estão em Suas sábias e amorosas mãos.
            Mas Paulo tinha uma palavra para seus companheiros de tormenta. A tempestade poderia ter sido evitada. Mas agora, é hora de animar-se.
            Deus havia prometido que nenhuma vida se perderia, todos do navio seriam salvos. Mas eles precisavam se animar e se alimentar. Este alimento seria para a salvação deles. Deus fizera uma promessa contundente: nenhum fio de cabelo deles se perderia. Mas eles tinham que se alimentar. Paulo dá o exemplo, agradecendo a Deus e se alimentando. Este ato animou a todos.
            Quando o navio estava a ponto de espatifar-se nas rochas, os soldados aconselharam matar os prisioneiros, mas o centurião fez uma intervenção. O plano de Deus estava se cumprindo.
            Todos tiveram que se lançar ao mar, para salvar suas vidas.  Uns nadaram, outros se agarram em tábuas e flutuaram até à praia. Mas, todos se salvaram.
            Deus prometeu salvamento para todos os que estavam no navio. E providenciou os meios para isso. Usou Paulo para anunciar este salvamento e desafiá-los a se alimentarem para poder sobreviver. Usou o centurião para poupar a vida quando os soldados queriam matar todos os presos. Usou as tábuas para salvar a todos. Usou as forças dos viajantes para nadarem até à praia.
            Um claro exemplo de que Deus dispõe os fins e providencia os meios, mas cada um deve fazer uso destes meios, para que o fim planejado se concretize.
O desastre contribuiu para que o povo de Malta visse e ouvisse o poder do evangelho. Deus usou a desobediência da tripulação do navio, a tempestade, o prejuízo, o sofrimento e testemunho de Paulo, para que a Sua glória através do evangelho chegasse a outras pessoas.
            Soberania divina, e ação humana! Plano divino, e reação do homem. No final tudo coopera para que a Sua vontade se cumpra!
            Se o centurião tivesse escutado Paulo, o navio não enfrentaria esta tempestade e não sofreria o prejuízo, mas também, Paulo não chegaria a Malta para testemunhar. Podemos perguntar intrigados: e aí, como ficaria o plano de Deus?
            Não tenho resposta para esta pergunta. Mas, podemos aprender da atitude de Paulo: tentar evitar o máximo o desastre, sempre procurar e aconselhar a melhor opção, isto é, fazer a nossa parte o melhor que podemos. E mesmo quando isso não for suficiente para evitar o sofrimento e prejuízo, continuar confiando em Deus, sabendo que Ele sempre faz o melhor, e que, no final, tudo cooperará para Sua glória, que é o nosso alvo supremo!
            O Supremo Deus não erra e faz todos os acontecimentos cooperarem para o bem: nosso aperfeiçoamento e a Sua glória!
            

4 comentários:

Darlene Alencar disse...

Ótima meditação que nos faz descansar e procurar fazer escolhas certas. Deus realmente está no controle de tudo. Que continue usando sua vida escrevendo textos para nos edificar

Selumiel disse...

È sempre bom ser lembrado que Deus está no controle. Obrigado Pr. Almir por esta Palavra. E que Deus seja glorificado.

Rafael Batista Landim disse...

Excelente como sempre. Abraço, Rafael Landim

António Jesus Batalha disse...

Amados, entrei no seu abençoado blog, e verifiquei que aqui há vida, e que o amor de Jesus impera.
Dou-lhe os parabéns por este belo blog, que é mais uma ferramenta para levar a Palavra de Deus.
Tenho um blog que fazia gosto se o conhece-se, O peregrino e servo.
Também ficaria honrado se fizesse parte dos meus amigos virtuais.
Decerto que irei retribuir.
Fique na paz de Jesus. Com votos de um Ano Novo cheio de vitórias em Cristo.
António Batalha.