segunda-feira, 3 de abril de 2017

DORMIU TRANQUILO, MESMO RODEADO DE AFLIÇÃO!

É possível deitar e pegar no sono, mesmo sendo perseguido por pessoas que tentam tomar-nos tudo que é de valor, inclusive a vida? O rei Davi nos responde que sim. Ele passou por essa experiência, mas ainda assim deitou e dormiu a noite toda, acordando com as forças restauradas.
Mas como se consegue dormir despreocupadamente quando a situação em volta é um tumulto, uma revolta, com pessoas buscando tirar a nossa vida? O próprio Davi nos mostra no Salmo 3 como isso é possível. Ele escreveu este salmo ao despertar numa manhã, depois de uma noite ameaçadora, quando fugia do próprio filho que pretendia matá-lo e ficar com o trono.
Essa história é contada em 2 Samuel capítulos 15 a 17. Absalão era o filho herdeiro do trono, pois já havia assassinado Amnon, seu irmão mais velho. Parece que ele estivesse com dúvidas se seu pai lhe daria o reino, depois do que havia feito. Ou mesmo o motivo fosse por estar impaciente, achando que a morte de seu pai estava demorando muito. Então resolveu adiantar a situação e garantir que o reino seria seu.
Quatro anos antes ele começou a roubar a lealdade dos súditos, espalhando notícias falsas a respeito de seu pai e fazendo promessas vazias para quando se tornasse rei. Quando achou que tinha gente suficiente para executar seu plano, enganou seu pai, afirmando que precisava ir à cidade de Hebrom cumprir um voto que havia feito a Deus. Enquanto isso, mandou conspiradores por todo o reino, conclamando o povo à revolta. Também convidou vários homens que eram leais a Davi, sem dizer a estes o que pretendia. Ainda chamou o melhor conselheiro da época, Aitofel. Então a conspiração começou a tomar vulto, e muitas pessoas se aliaram a Absalão contra Davi (2 Sm 15.1-12). 
A notícia que chegou a Davi foi que o coração de todos os homens de Israel estava seguindo Absalão. Pego de surpresa, Davi percebeu que só lhe restava fugir rapidamente de Jerusalém, para salvar a si mesmo, seus seguidores e a cidade. Desta fuga participaram homens, mulheres e crianças. Davi foi o último de seu exército a deixar Jerusalém. Seguiu em direção ao deserto, para atravessar o Rio Jordão, chorando, com a cabeça coberta e descalço, mostrando sua vergonha diante da situação. Enquanto caminhava e chorava, ele também orava e tomava algumas providências.
Além de Absalão, Davi teve que lidar com intrigas entre seus aliados e falsas acusações e maldições de outros inimigos. Sua reação foi a oração.
Chegaram do outro lado do Jordão exaustos e ali pararam para repousar, tomar alento e renovar os ânimos (2 Sm 16.14). Mas como se reanimar numa situação dessas? Davi nos mostra que a melhor maneira de sermos animados em situações atribuladas é através da oração. Pois a oração nos renova a confiança para enfrentar a vida.
Nesta oração ele contou suas aflições a Deus (Sl 3.1,2). Por três vezes mencionou que eram muitos os seus inimigos, que os seus atormentadores tinham se multiplicado. E estes afirmavam que não havia mais esperança para Davi, que Deus não estava mais com ele, que era o seu fim.
Davi encontrava-se perseguido, cansado, triste, desprezado e desacreditado. Mas clamou a Deus contando sua situação. É isso que todos nós devemos fazer nas tribulações. Tal como os pássaros buscam o calor e a luz do sol quando começa o frio e escuro inverno, os cristãos se voltam para Deus nas crises.
Além disso, Davi confessou sua confiança em Deus. Disse que Deus era seu escudo, isto é, aquele que o defendia e protegia. Que Ele iria restaurar sua glória, fazendo-o andar de novo com a cabeça erguida. A expressão “levantar a cabeça” indicava a restauração a uma posição de honra (Gn 40.13). Também confessou que Deus escutava quando clamava. A superioridade esmagadora de seus inimigos e problemas não sufocou sua confiança em Deus. Nos momentos críticos devemos lembrar quem é Deus e afirmar isso.
Por confiar em Deus, Davi se deitou e dormiu. Naquele deserto, seu colchão e travesseiro foram sua confiança em Deus. Isso o fez dormir tranquilo. No outro dia, levantou-se renovado e disposto a continuar confiando. Pelas palavras do verso 5, sabemos que o salmo foi composto pela manhã. O despertar foi o momento para cantar sua confiança em Deus. Ele expulsou a cacofonia da desordem e da tribulação interior com a harmonia da fé.
Ao amanhecer, Davi reconheceu que pode deitar, dormir e levantar porque Deus era seu apoio. Isso o fazia não temer a multidão que se colocava contra ele. Ao invés disso, ele renovou sua oração. Clamou por justiça, que aqueles que como feras tentavam devorá-lo tivessem seus queixos feridos e os dentes quebrados. E mais uma vez celebrou que sua salvação dependia apenas de Deus.

Davi nos ensina que a paz não depende das circunstâncias, mas da confiança em Deus.  O melhor sonífero para nos dar uma noite tranquila, mesmo em meio ao tumulto dos problemas, é a oração.

Um comentário:

Itamar Maia disse...

Obrigado, PR. Almir, pelo legado que humildemente está construindo. Obrigado pelo ensino. Deus continue lhe enriquecendo espiritualmente. Com amor em Cristo.