sábado, 22 de maio de 2010

MINHA FAMÍLIA NO ALTAR DO SENHOR




Este foi o tema da conferência sobre família para a qual fui chamado a pregar neste fim de semana. Por isso me preocupei em entender o que é estar no altar de Deus.

A palavra “altar” tem várias aplicações em nossa língua: mesa que se usa em cerimônias religiosas, e no caso dos evangélicos é comum o púlpito ser chamado de altar. Mas o que a Bíblia ensina que é um altar? Tanto no Antigo como no Novo Testamento a palavra altar significa “lugar de sacrifício”. Ela se origina do verbo que significa “sacrificar”, “imolar”, “abater”; e do substantivo “sacrifício”.

Quando estudamos as ocorrências do termo no Antigo Testamento, percebemos que altar era um lugar de encontro com Deus. Os altares foram construídos onde Deus aparecia aos Seus servos, revelava-se a eles, e lhes abençoava (Gn 12.7s; 13.4). Neste lugar os servos de Deus também se aproximavam Dele, para manifestar sua gratidão, devoção e arrependimento, ofertando seus sacrifícios (Ex 20.24). Algumas vezes o altar era um memorial, que servia para lembrar o que Deus havia feito, uma e monumento memorial, para testemunho às futuras gerações (Js 22.10,26,28,34).

No tabernáculo os altares foram resumidos a dois: o de holocaustos e o de incenso. Num eram ofertados os sacrifícios de expiação, dedicação, ação de graças e comunhão. No outro as orações, petições e gratidão, que chegavam ao trono, simbolizado no Santos dos Santos.

Assim o altar de um lado indicava a soberania de Deus sobre a terra, que Ele estava presente, e disposto a se manifestar aos homens. E por outro também mostrava quais homens reconheciam esta soberania, aproximando-se de Deus para honrá-lo com suas ofertas. No altar a aliança entre Deus e os homens se manifestava e se renovava. No altar Deus era cultuado. No altar a fé e devoção eram demonstradas (1 Sm 16.5; 1 Rs 8.64; 2 Cr 30.17). Estar no altar era manifestar a consagração da vida a Deus.

No Antigo Testamento dois termos transmitiam a idéia de consagração. Um deles era “santificar”, que expressa a idéia de “separar”, “colocar à parte para uso exclusivo de Deus”. Assim objetos, casas, campos, cidades, tesouros, e pessoas poderiam ser consagrados, santificados, isto é, separados para o serviço exclusivo de Deus (Lv 27; Nm 7.1; Js 20.7; 2 Sm 8.11).

Pessoas que se consagravam eram movidas diante do altar de Deus, por exemplo, os levitas, que substituíam os primogênitos, que deveriam ser dedicados a Deus (Nm 8.11,16-18). As ofertas oferecidas sobre o altar também eram manifestações de consagrações, de separação para Deus (Ex 28.38; Lv 22.2). Estar no altar era manifestar consagração a Deus. Esta consagração deveria ser demonstrada numa vida pura, pronta para estar na presença de um Deus santo (Ex 19.10). Deixando de lado as práticas pagãs, das pessoas que não temiam a Deus (Lv 11.14).

A outra expressão que indicava consagração era “encher as mãos”, que dificilmente apare em nossas versões, sendo traduzida como “consagrar” (Ex 28.41). Ela significava a habilitação da pessoa consagrada, e também indicava sua disposição para servir a Deus. Estar diante de Deus com as mãos cheias era estar cheio de vontade e disposição para obedecê-Lo e servi-Lo.

Estar no altar de Deus era ter a vida consagrada em santidade e disposição para servir a Deus, cumprindo a missão que Ele havia dado.

No Novo Testamento uma passagem que expressa isso é Romanos 12.1,2. Somos exortados, diante de tudo que Deus fez por nós, a dedicarmos os nossos corpos, como um sacrifício a Deus. Isto é dedicar o que somos, que se manifesta através de nossos corpos a Deus. Antes, nossos corpos serviam ao pecado, agora devem servir a Deus (Rm 6.13,19). Este é nosso culto inteligente e consciente.

Esta dedicação inclui uma rejeição dos padrões mundanos de pensar e viver, e uma transformação aos padrões divinos. Assim iremos experimentar a vontade de Deus, que é boa, perfeita e agradável.

Uma família no altar de Deus é uma família que se aproximou de Deus através de Jesus (Hb 10.12), e que agora procura mudar seu modo de pensar e viver. Busca viver a vida familiar conforme os padrões de Deus, e não de acordo com as idéias do mundo. Que assume o modelo bíblico e não o da TV, ou do mundo da moda, ou dos artistas, e assim por diante. É uma família que procura devotar-se a Deus, vivendo conforme a vontade Dele.

Uma família no altar de Deus é uma família que se enche de vontade de servir a Deus. Entendendo que sua principal missão neste mundo é representar Deus e não buscar Seu conforto. Esta família tem compreendido que o motivo de sua existência é a glória de Deus, e está ansiosa por glorificá-Lo.

Será que nossas famílias estão no altar de Deus?

7 comentários:

Caetano disse...

A família deve estar no altar de Deus, consagrada, mas para isso devemos ter Igrejas fortalecidas pela palavra de Deus. Devemos ter igrejas realmente voltadas para pregar a Palavra de Deus sem buscar interesses outros. Se as famílias estão se distorcendo, sumindo, se a vida familiar saudável está cada vez mais comprometida é pelo fraco testemunho de muitas igrejas que professam um evangélio fragio e descomprometido com a consagração e não buscam realmente o Altar.Devemos nos esforçar e lutar por nossas igrejas e assim levarmos realmente o Altar de Deus para cada lar.

Miloca disse...

Pastor que Deus o abençoe ricamente e lhe dê cada dia mais disposição pra levar estudos tão maravilhosos pra que nós continuemos respondendo as perguntas na escola dominical kkkkkk, brincadeiras a parte o senhor e sua família têm sido uma benção na vida de todos nós!

Pastor Edson Sobreira Alves disse...

Pastor Almir, muito bom este estudo sobre colocar a família no altar do Senhor. Quem não foi à conferência perdeu uma excelente edificação. Em seu texto o que mais me chamou a atenção foi a palavra "consagração". Podemos perceber que em nossos dias, em nossas igrejas não vemos nem ouvimos sobre pessoas que estão se consagrando para a vida cristã, quer seja em função especifica como pastor, evangelista, missionários, ministro de louvor, ou como cristãos verdadeiros. As pessoas não assumem uma realidade exigida por Deus no sentido da santifição de suas vidas conforme Romanos 12;1,2 que o senhor mencionou. Tudo isso começa na famlia, vemos isso nas famílias do Antigo Testamento, quando iam ao altar no templo oferecer sacrifícios pela fé que tinham no Deus todo podereso, a atitude de se entregar e confiar e não se conformar com este mundo, está se perdendo. Que Deus lhe abençoe.
Pr. Edson

David Lima disse...

Muito relevante o artigo. A pergunta está feita: Será mesmo que a família está no altar de Deus?
Ó Deus! nos ajude a está no teu altar.

cicero antonio disse...

Pastor gostei muito de seu estudo sobre a família! Realmente precisamos reconhecer a necessidade constante de conduzirmos nossas famílias ao altar do Senhor. Sinto saudades das suas aulas de teologia!

juarez matos disse...

falou muito sobre o altar e mencionou pouco sobre familia.
teria que explanar mais sobre pontos que mostram uma familia no altar de Deus

Lucas Costa disse...

Excelente explicação diantes vários estudo que já lir.