segunda-feira, 16 de maio de 2011

BULLYING


Neste final de semana nossa igreja promoveu uma conferência para as famílias. O tema é o bulliyng. Três pastores pregaram paralelamente sobre o assunto para crianças, adolescentes e jovens, e para os pais. O bullying é um fenômeno antigo, mas a mídia tem lhe dado uma nova dimensão.

Segundo o pastor Gary Barber, um de nossos preletores, Bullying é um termo utilizado para descrever atos de violência física ou psicológica, intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo ou grupo de indivíduos com o objetivo de intimidar ou agredir outro indivíduo (ou grupo de indivíduos) incapaz(es) de se defender”. É um comportamento agressivo e repetitivo no qual há um abuso da influência, autoridade, força ou poder de um individuo ou grupo contra outros. Agressão repetitiva da parte de pessoas com mais poder ou autoridade sempre tem ocorrido. Quem dos meninos não teve que enfrentar o valentão da escola? E quem das meninas não teve que suportar a indiferença ou ostracismo praticado pela turma de outras meninas mais influentes?

A Pr Gary nos alertou para os três ingrediente necessários para a ocorrência do “bullying”: um valentão, um oprimido, e um contexto, isto é, um ambiente favorável, para que o valentão perturbe o mais fraco sem receber a devida punição.

O “bullying” pode ser cometido dentro da própria família. Pais podem humilhar e prejudicar seus filhos abusando de sua autoridade. Irmãos mais velhos também podem se aproveitar da força maior e assim agredir os mais novos. Mas isso só ocorrerá se o ambiente familiar permitir. A própria Bíblia nos dá exemplo de famílias onde houve violência familiar. Jacó sofreu o abuso de autoridade de seu sogro Labão. José sofreu a indiferença e violência dos irmãos. A omissão de Davi criou um ambiente onde a competição e violência foram semeadas entre seus filhos.

Para impedir isso o lar deve ser edificado numa atmosfera de autoridade amorosa. E isto que a Bíblia ensina. Efésios 6.4 “E vós pais não provoqueis vossos filhos à ira, mas criai-os na disciplina e admoestação do Senhor”, e Colossenses 3.21 “Pais não irriteis vossos filhos para que não fiquem desanimados.” Tem que haver disciplina sem irritação e sem produção de ira. Uma disciplina que não deixe a criança frustrada.

Equilíbrio se faz necessário. Tem que ter autoridade, pois caso contrário um irmão mais forte pode humilhar e agredir um irmão menor, mais tímido ou mais fraco. A omissão dos pais cria o ambiente favorável ao “bullying” na família. Portanto é preciso autoridade. Mas esta autoridade deve ser exercida com amor. Se os pais abusarem de sua autoridade para humilhar e agredir seus filhos, eles estarão semeando a violência que frutificará na sociedade.

O “bullying” também pode ocorrer na igreja. É interessante observar o texto de Ezequiel 34.17-23, onde Deus condena o comportamento de algumas ovelhas dentro do rebanho. Elas pastam e depois pisoteiam a pastagem. Elas bebem e depois turvam as águas. Assim as ovelhas mais fracas ficam com pastagem e água de qualidade ruim. Elas empurram e chifram as mais fracas para as espalharem.

Deus promete solucionar esta violência levantando um pastor que possa dar segurança às ovelhas. No meio do povo de Deus pode surgir agressividade continuada, repetida e abuso de autoridade. Um exemplo é Diótrefes em 3 João 9. A solução é uma liderança que serve (Mateus 10.15-28). Líderes que exercem sua autoridade pelo servir e não pelo dominar.

O “bullying” ocorre também na sociedade. Já diz o ditado que “o mundo é dos mais fortes”. Esta é crença dos homens. Tem que ter garra e luta para sobreviver. E muitas vezes esta garra e luta é interpretada como prejudicar os outros. Ser agressivo, sarcástico, humilhando e ferindo as outras pessoas.

Mas o ensino de Jesus é bem diferente: “Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra” (Mateus 5.5). O salmo 37.7-11 nos mostra que a maneira de reagirmos diante dos valentões deste mundo é confiando no Senhor, esperando na justiça Dele. Pois Ele trará punição sobre os violentos e injustos, e compensará os seus com a segurança e a herança na terra.

Ao invés da ira, confiança em Deus. Ao invés do desânimo, esperança. Esta é a maneira de vencer o bullying, tanto na família, como na igreja e também na sociedade.

2 comentários:

Pr Hamilton Linard disse...

Muito bom o texto Pastor Almir, Deus continue te abençoando. Um tema bem atual que infelizmente acontece também dentro da família e da igreja. Precisamos de famílias fortes e abençoadas para termos uma igreja que se torna cada vez à imagem do nosso Senhor.

Antoniomtavares. disse...

Olá Almir, muito oportuna e esclarecedora esta mensagem.
Que o Senhor continue te abençoando, e que possas divulgar sempre mensagens como esta.
DEUS POR NÓS!
Abraços.