quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

A Bíblia é qual martelo...

Certa ocasião levei meu carro para consertar o pneu. Enquanto observava o borracheiro tirar o pneu da roda, o martelo de borracha que ele utilizava escapou de sua mão, passou perto de mim e acertou meu carro. Pude ver que certas coisas muito úteis podem, se manuseadas de forma descuidada, tornarem-se destruidoras. Um martelo pode ser útil na fabricação de móveis, construção de casas, consertos de carros, etc. Mas ele pode ser uma arma mortal se usado de forma descuidada! Outro exemplo: o fogo. Precisamos dele para nos aquecer, cozinhar nossos alimentos, purificar os metais, e prover outras necessidades em nossas vidas. Mas ele também pode ser destruidor. Quantas pessoas carregam marcas de queimaduras, e outras já morreram em incêndios!

A Palavra de Deus é comparada a estas duas coisas: o fogo e o martelo. Jeremias 23.29 diz: Não é a minha palavra fogo, diz o SENHOR, e martelo que esmiúça a penha?

O contexto mostra que Deus está acusando os falsos profetas através do profeta Jeremias. Eles enganavam o povo, dizendo que Deus lhes havia falado através de sonhos, quando de fato estavam falando mentiras e ilusões criadas em suas próprias mentes (Jr 23.25,26) Tenho ouvido o que dizem aqueles profetas, proclamando mentiras em meu nome, dizendo: Sonhei, sonhei. Até quando sucederá isso no coração dos profetas que proclamam mentiras, que proclamam só o engano do próprio coração?

Aqueles falsos profetas traziam uma mensagem que o povo queria ouvir, a mensagem que Deus não lhes puniria por seus pecados. Eram palavras de falsas (23.16,17). Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Não deis ouvidos às palavras dos profetas que entre vós profetizam e vos enchem de vãs esperanças; falam as visões do seu coração, não o que vem da boca do SENHOR. Dizem continuamente aos que me desprezam: O SENHOR disse: Paz tereis; e a qualquer que anda segundo a dureza do seu coração dizem: Não virá mal sobre vós.

Jeremias já travava uma batalha com estes profetas há algum tempo (14.13-15). Com mensagens inventadas aqueles profetas levavam o povo a esquecer quem era Deus. Criavam outro tipo de deus adoravam a criação de suas mentes (23.27). Os quais cuidam em fazer que o meu povo se esqueça do meu nome pelos seus sonhos que cada um conta ao seu companheiro, assim como seus pais se esqueceram do meu nome, por causa de Baal.

No verso 28 deste capítulo Deus faz uma advertência de que o profeta que teve um sonho, conte apenas como seu sonho, não diga que aquela palavra é de Deus. Mas aquele que tem recebido a Palavra de Deus deve proclamá-la com fidelidade, exatamente da maneira que Deus falou. Tanto é pecado falar o que Deus não disse como se Ele tivesse dito, como é pecado não falar fielmente o que Deus disse. Quando não se proclama com fidelidade a Palavra de Deus, e quando anunciamos nossas idéias como sendo Palavra de Deus, nós estamos fazendo passar palha como se fosse trigo, e assim iludindo as pessoas.

Deus estava contra estes profetas (23.30,31). Portanto, eis que eu sou contra esses profetas, diz o SENHOR, que furtam as minhas palavras, cada um ao seu companheiro. Eis que eu sou contra esses profetas, diz o SENHOR, que pregam a sua própria palavra e afirmam: Ele disse.

Eles roubavam as mensagens uns dos outros, e a proclamavam como sendo do Senhor! O que um dizia, o outro repetia como se Deus tivesse falado com ele! Anunciavam mensagens proféticas que vinham de suas próprias línguas, e não de Deus. De fato, suas mensagens eram copiadas de outros homens, e passadas como se Deus tivesse dito.

Eram palavras levianas, imprudentes, irresponsáveis, faziam o povo se desviar de Deus e não lhe trazia nenhum benefício (Jr 23.32). Eis que eu sou contra os que profetizam sonhos mentirosos, diz o SENHOR, e os contam, e com as suas mentiras e leviandades fazem errar o meu povo; pois eu não os enviei, nem lhes dei ordem; e também proveito nenhum trouxeram a este povo, diz o SENHOR.

O povo gostava de confiar nestas palavras (Jer 7.8), mensagens que não produziam arrependimento e mudança de vida (Jr 23.22) Mas, se tivessem estado no meu conselho, então, teriam feito ouvir as minhas palavras ao meu povo e o teriam feito voltar do seu mau caminho e da maldade das suas ações.

O que estas mensagens produziram foi o cativeiro do povo. (Lm 2.14). Os teus profetas te anunciaram visões falsas e absurdas e não manifestaram a tua maldade, para restaurarem a tua sorte; mas te anunciaram visões de sentenças falsas, que te levaram para o cativeiro.

Depois de fazer esta grave exortação o próprio Deus compara Sua Palavra ao fogo e ao martelo.

Contrastando com as palavras sem poder e sem utilidade dos falsos profetas a Palavra de Deus é fogo. Enquanto as palavras inventadas pelos homens apenas aninham os ouvintes em seus próprios pecados, a Palavra de Deus os sacode e os leva a abandoná-los. Ela destrói o que é errado. É um fogo que consome em juízo (Jr 5.14), incendiando o entulho, o que é inútil, o que é lixo. Quando explicada ela arde no coração queimando a descrença, iluminando a verdade, aquecendo a esperança e acendendo o ânimo, como aconteceu com os desanimados discípulos no caminho de Emaús (Lc 24.32). Ela também é fogo que arde dentro daqueles que devem proclamá-la, quando estes se calam. Ela vira um incêndio que acaba se alastrando e saindo pela boca (Jr 20.9).

Como martelo, que era uma espécie de malho do ferreiro, a Palavra é capaz de quebrar uma rocha ou penhasco, isto é, uma pedra grande e dura. Que é um símbolo de um coração duro, teimoso, que recusa se arrepender. Uma figura da obstinação espiritual (Jr 5.3). A palavra de Deus é poderosa. Sua mensagem não embala os homens em seus pecados e teimosias. Ela despedaça o coração duro, ela convence o homem de seu erro. Seja para trazê-lo ao arrependimento agora, seja para mostrar a justiça de sua condenação no futuro. Ela é poderosa para destruir os pensamentos que se levantam contra Deus (2 Cor 10.4,5).

As pessoas sempre manifestaram preferência pelas palavras agradáveis, mesmo que sejam mentirosas (Is 30.10). Porque povo rebelde é este, filhos mentirosos, filhos que não querem ouvir a lei do SENHOR. Eles dizem aos videntes: Não tenhais visões; e aos profetas: Não profetizeis para nós o que é reto; dizei-nos coisas aprazíveis, profetizai-nos ilusões; desviai-vos do caminho, apartai-vos da vereda; não nos faleis mais do Santo de Israel. Um exemplo disto aparece em 1 Rs 22, quando, mesmo sabendo que qual era a verdadeira Palavra de Deus, os reis Acabe e Josafá preferem seguir as orientações dos falsos profetas.

Creio que isto explica nossa falta de desejo para ler e ouvir a Bíblia. Explica ainda porque os grupos religiosos que se baseiam em suas próprias visões e sonhos, nas palavras copiadas de homens, e no uso inadequado das Escrituras, crescem muito. Eles não pregam o arrependimento e abandono do pecado. Apenas afirmam que tudo irá prosperar, se alguns ritos religiosos forem cumpridos. O casamento irá melhorar, a cura virá, o dinheiro vai sobrar, apenas creia! Não importa se você quer estas coisas para a glória de Deus ou não. Não importa se você quer ser mais santo ou não. Tenha sossego agora, mesmo que depois sua alma vá para o inferno. Mas esta não é a Palavra que é fogo e martelo!

A Bíblia em nossas vidas irá queimar tudo aquilo que desagrada a Deus. E tudo aquilo que vai prejudicar nossa salvação e nossa vida com Deus. Ela é fogo que destrói o que não contribui para o nosso bem. Quer se afastar do pecado? Leia a Bíblia. Quando nos recusamos enfrentar este fogo agora, nós estamos escolhendo enfrentar o fogo eterno (Ap.21.8)

A Bíblia também é um martelo poderoso, que pode quebrantar nossos corações teimosos em andar longe Deus. Quando resistimos a Deus, a Sua palavra pode vir aos nossos corações como o malho de um ferreiro e despedaçar. Quer ter um coração quebrantado diante de Deus, humilde para obedecer a Deus? Leia a Bíblia. E quando recusamos esta quebrantar da Palavra, nos estamos escolhendo ser quebrados no juízo final (Pv 29.1).

O que este fogo e este martelo serão para nós? Algo útil ou algo que nos destruirá?

6 comentários:

Marcos Aurélio Melo disse...

Não há nada mais importante do que o reconhecimento de que a Bíblia é a Palavra de Deus, e como tal, poderosa para mostrar ao crente o que precisa ser mudado no seu viver...
Temos este importante recurso ao nosso dispor, que possamos guardar a Palavra no coração como nos ensinou o salmista.
Parabéns por mais este post, mostra o amor que o pastor Almir tem pela Palavra de Deus.

Anônimo disse...

Que bom encontrar uma meditação tão preciosa, a palavra de Deus é maravilhosa. Parabens pastor,essas leituras tem me ajudado muito, estão sempre enriquecendo minha vida espiritual e me fazendo entender cada dia mais a maravilhosa palavra de DEUS, que nosso DEUS continue lhe abençoando e suprindo todas as suas necessidades.

valdiza disse...

valdiza veras

Diego dy Carlos disse...

Penso que o poder das Escrituras em si explica um pouco essa tendência a fugir da Palavra. Diante dela, somos desnudados e expostos aos nossos próprios pecados, a nós mesmos no nível logo abaixo da superfície das aparências. É impossível encará-la com sinceridade e não enxergar a alma. Ela queima a máscara da hipocrisia e esmiúça o coração orgulhoso.

Porém, que ela nos quebrante e não o fogo do juízo.

Um forte abraço, pastor.

fellip disse...

Pastor estou precisando de uma mensagem sobre recasamento,o senhor poderia me mandar caso tenha? Obrigado

Anônimo disse...

Pastor, estava lendo a bíblia e tive dúvida em relação ao versículo 29 do capítulo citado. Pesquisei no google e achei o link do blog. Obrigada pelos esclarecimentos, que Deus continue te abençoando e usando !