domingo, 3 de julho de 2011

O BRAÇO FOI CURADO, MAS O CORAÇÃO CONTINUOU DOENTE


Algumas pessoas recebem a graça de ver os sinais autenticadores da verdade de Deus, desfrutar dos atos milagrosos do Senhor, e ainda assim continuam na desobediência! Adoram a Deus da sua maneira, e buscam a Deus apenas para terem os problemas temporais e imediatos resolvidos, mas recusam resolver o problema eterno. Procuram a Deus para a cura do corpo, mas preferem continuar com a alma enferma.

Um exemplo disso é o rei Jeroboão, que passou a ser conhecido como Jeroboão I. Ele era um funcionário do rei Salomão. Sua capacidade o fez ser promovido a administrador. Por causa da desobediência de Salomão, Deus decidiu dividir o reino de Israel. O profeta Aías anunciou a Jeroboão que ele seria o rei das dez tribos. Se ele fosse obediente a Deus, seu reino seria estabelecido como o do rei Davi. Isto é, seria uma dinastia sobre Israel (1 Reis 11.40).

No tempo certo Jeroboão foi feito rei (1 Reis 12.20). Todavia não confiou em Deus, mas em sua capacidade e esperteza. Resolveu usar suas estratégias políticas e administrativas para manter o reino. Não existe erro em usar nossas capacidades, mas jamais devemos usá-las em desobediência à Palavra de Deus. Ele teve medo de que o povo voltasse para debaixo do domínio do reino dos filhos de Davi, se continuasse cultuando no templo, em Jerusalém. Por isso criou alternativas: dois novos lugares de adoração, dois bezerros de ouro para representar os deuses, sacerdotes que não eram da tribo de Levi, e festas religiosas na mesma época das festas instituídas por Deus. Um culto segundo a sua vontade, para atender aos seus interesses, conforme as suas conveniências, a seu bel-prazer (1 Reis 12.25-33).

Deus não se permite ser adorado conforme nós queremos, mas apenas segundo Ele mesmo estabeleceu! Por isso enviou um profeta para anunciar o juízo que traria sobre Jeroboão.

O homem de Deus chega exatamente no momento em que Jeroboão está oferecendo o incenso. Por ordem de Deus, ele profetiza que aquele altar seria destruído e profanado, por um rei chamado Josias, que seria um descendente de Davi. Os ossos dos falsos sacerdotes, que haviam sido instituídos por Jeroboão, seriam queimados nele. Esta profecia apresenta que aquele culto não era aprovado por Deus.

O rei se revolta e manda prender o profeta. Neste momento um segundo sinal ocorre: o braço do rei fica paralisado. Jeroboão clama que o profeta busque o favor de Deus, não para mudar seu coração duro, mas para curar seu braço endurecido. Jeroboão demonstra que estava mais preocupado com o seu bem-estar do que em ser obediente à Palavra de Deus. Buscava Deus para satisfazer seus desejos, resolver seus problemas, curar seus males imediatos, escapar de uma situação complicada e dolorosa. Não queria obedecer, não queria os bons resultados de longo prazo, que vêm como resultado de uma vida caminhando em obediência a Deus.

O profeta, que demonstra temer a Deus, clama, e mais um sinal se opera: o braço é curado. O rei o convida para comer em sua casa, e assim ele lhe presentearia. Mas o homem de Deus fica firme e resiste à tentação, obedece a Deus. Sendo modelo de como Jeroboão e a nação deveriam se comportar.

No capítulo 14 temos o mesmo comportamento de Jeroboão. Seu filho adoece, ele manda sua mulher ir disfarçada falar com o profeta Aías, o mesmo que havia profetizado o reino para ele. Manda presentes, tentando comprar Aías, da mesma forma que tentou comprar o homem de Deus do cap. 13. A profecia de Deus anuncia juízo, e dá como sinal a morte do menino. Mesmo assim, Jeroboão continua incrédulo.

Ele prefere um corpo sadio, e não um espírito obediente. Prefere garantir seu reino de acordo com suas idéias, do que confiar e obedecer a Deus. Prefere o caminho da sua vontade, ao da vontade de Deus. Ele já tinha visto o que acontecera no reino do sul, viu o altar fender-se, viu seu braço secar e voltar ao normal. Mas, os olhos do coração continuavam cegos para a Palavra de Deus, porque o coração estava seco.

Apesar de todos estes sinais, dados graciosa e explicitamente por Deus, nem Jeroboão nem o povo se arrepende. O braço do rei fora curado e voltou a movimentar-se, mas o coração continuou seco, afastado de Deus.

2 comentários:

Antonio Marcolino Tavares. disse...

Parabéns pela maravilhosa e oportuna mensagem.
Deus continue te abençoando.
Abraços.

Janete Maia disse...

Precisamos vigiar constantemente, para não cairmos no mesmo erro. Analisar nossa conduta todo o tempo.