quinta-feira, 1 de novembro de 2012

TRINTA E UM DE OUTUBRO, UM DIA PARA SER CELEBRADO


No dia 31 de outubro é celebrado o dia da Reforma. É uma celebração dos cristãos protestantes, pois em 31 de outubro de 1517, foram afixadas na porta da Igreja de Wittenberg, na Alemanha, as 95 teses elaboradas pelo, então monge, Martinho Lutero. Este ato desencadeou uma volta aos ensinos de Jesus e dos apóstolos, que haviam sido abandonados pela Igreja. Este movimento passou a ser chamado de Reforma Protestante.
Após a adoção do cristianismo por parte do Imperador Constantino, no ano 312 depois de Cristo, a Igreja Cristã, pouco a pouco, conformou-se aos valores e práticas mundanas e pagãs. O fervor esfriou, o culto formalizou-se, e o ensino bíblico foi esquecido.
Muitas tentativas de reformas forma feitas. A liderança religiosa sufocou algumas , e outras ela cooptou.  O sistema monástico, entre outras razões, surgiu por causa da insatisfação com a frieza, mundanismo e formalismo. Várias ordens monásticas tentaram  reavivar a Igreja. Os monges de Cluny, os monges cistercienses, os dominicanos, Francisco de Assis e os franciscanos, (todas estas entre os anos 1000-1250), são alguns exemplos.
Outras tentativas foram: movimentos intelectuais, entre os anos 1000-1400, como o Escolasticismo, Renascença e os humanistas (que era um segmento da Renascença); movimentos religiosos, entre 1100-1250, como os Valdenses, os Cátaros ou Albigenses, e o misticismo cristão; e um movimento interno da própria Igreja, chamado de Conciliar, que tentava submeter a autoridade papal à autoridade dos concílios. Todos falharam.
Homens como John Wycliffe (1328-1384) e João Huss (1373-1415) pregaram contra os abusos da liderança religiosa, e esforçaram-se para que a Bíblia fosse traduzida e ensinada na linguagem do povo comum. Wycliffe, na Inglaterra, foi calado, e Huss, na Boemia (atual República Checa), foi queimado, depois de covardemente traído pelo Papa. Antes de ser executado disse: "Vocês hoje estão queimando um ganso (Hus significa "ganso" na língua boêmia), mas dentro de um século, encontrar-se-ão com um cisne. E este cisne vocês não poderão queimar.", 102 anos depois, Martinho Lutero elaborou as 95 teses.  
        O protesto de Martinho Lutero era principalmente contra as indulgências, prática romana, que oferecia o perdão de pecados em troca de ações religiosas em prol da igreja ou de ofertas em dinheiro. A base para isto era a crença de que a salvação é por obras. E que algumas pessoas excederam em boas obras, de modo que fizeram o suficiente para si e ainda sobrava um saldo que poderia ser utilizado em prol de outros. Este saldo era administrado pelo Papa, que assim, poderia conceder as indulgências.
         Lutero, depois de estudar o livro de Romanos, entendeu que esta prática anulava o sacrifício redentor de Jesus Cristo, e consequentemente o evangelho. A 62ª tese dizia "O verdadeiro tesouro da Igreja é o sacrossanto Evangelho da glória e da graça de Deus".

          Romanos 3.21-26 diz:
pois todos pecaram e carecem da glória de Deus,  sendo justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus, a quem Deus propôs, no seu sangue, como propiciação, mediante a fé, para manifestar a sua justiça, por ter Deus, na sua tolerância, deixado impunes os pecados anteriormente cometidos; tendo em vista a manifestação da sua justiça no tempo presente, para ele mesmo ser justo e o justificador daquele que tem fé em Jesus.
Já que todos os seres humanos estão debaixo da mesma condição, que é o pecado, só há um meio de salvação para todos. Este meio é a justificação, isto é, uma declaração de absolvição feita pelo próprio Deus, que é a sentença oposta a da condenação. Deus declara justificado o pecador que não tem obras para merecer este perdão, conforme diz Romanos 4.5: Mas, ao que não trabalha, porém crê naquele que justifica o ímpio, a sua fé lhe é atribuída como justiça.
Esta justificação é feita de forma gratuita, como um presente. Isto porque o preço foi pago por Jesus. Redenção era o termo utilizado para se referir ao pagamento feito para dar a liberdade a um escravo. O preço para a libertação da condenação que os pecados mereciam foi pago com o sacrifício de Jesus. Esta maneira foi proposta pelo próprio Deus. Através do sangue de Cristo, de sua morte na cruz, os pecados foram propiciados. Isto significa que a morte de Cristo na cruz, satisfez a justiça divina, Sua ira contra os pecadores foi aplacada. E a sentença de condenação retirada.  
A recepção deste dom não é automática, isto é, nem todos receberão o livramento da condenação. É necessária uma recepção com fé, um ato de confiança, que concorda com o veredito de Deus sobre nosso estado de pecado e aceita a solução proposta pelo próprio Deus como único meio de escape.  Esta fé não é um ato meritório, mas um clamor daquele que se reconhece perdido e desesperado, e confia na generosidade de Deus, submetendo-se humildemente ao caminho que Ele estabeleceu.
A Reforma foi um protesto, por isso foi chamada de Reforma protestante. Um protesto contra o falso evangelho, que não é evangelho, mas ensino humano, pois apregoa que o próprio homem pode realizar a sua salvação, e fazer obras que paguem por seus pecados.
A Reforma não corrigiu todos os erros da Igreja Cristã, nem Lutero foi um homem perfeito, estava longe disso. Mas, a Reforma foi um protesto, que trouxe de volta a pregação de que, todos são pecadores, e por isso estão condenados, e que o amor divino realizou a salvação através da morte de Cristo, e agora, todo aquele que pela fé aceita este evangelho é salvo:
Se, com a tua boca, confessares Jesus como Senhor e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. (Romanos 10.9).
31 de outubro é um dia para ser celebrado!

5 comentários:

Jaime Leonard disse...

Excelente, este resumo do protesto de Martino Lutero, que deu início ao que se tornou a Reforma Protestante.

Francieuda disse...

É muito gratificante vermos através da historia que o Evangelho jamais, pode ser, mortificado! Não há regimento humano que destrua o verdadeiro sentido do cristianismo! 'A salvação somente pela a Graça'...! Louvado seja o Senhor, porque nestes dias tao maus, ainda existem homens dedicado em propagar o verdadeiro Evangelho. Deus o abençoe!

Pastor Junior disse...

Mais uma vez obrigado por nos abençoar aqui em Cabo Verde com esta explicação que certamente será bem repassada a outros aqui.

Espalhando a Glória do Mestre - Pr. Junior e Família

Cleyton Maciel disse...

Uma das coisas que mais gostei Pr. Almir foi ver esse resumo da história da igreja, do século IV ao XVI, cuminando com a apresentação do evangelho (que foi uma ênfase redescoberta na Reforma). É tão maravilhoso ver o desafio do evangelho da maravilhosa graça salvadora.

Rogerio Sanctos disse...

Cristão protestante? Ou você é CRISTÃO ou protestante ou catolico ou evangelico.
Os dois juntos não existe.