quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

SER GRATO É UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA


 
       Um clamor por justiça percorre este mundo. Em todas as esferas da existência ele se faz ouvir. Nos lares, nas escolas, nos empregos, nos governos, é comum ouvirmos: Mas isso não é justo! Ou ainda: e ninguém não vai fazer nada?
       A injustiça nos deixa indignados. E com razão, pois fomos feitos para viver em justiça. Todavia, nem sempre esse clamor é sincero. Não raro, o pedido por justiça carrega alguma hipocrisia. Como Davi, exigimos que os injustos sejam punidos, e então ouvimos: Tu és o homem injusto (2 Sm 12.6,7). A maioria de nós comete injustiças diariamente. Em quase todos os momentos de nossa vida estamos nos colocando contra a justiça que clamamos.
       A injustiça ocorre quando se nega a alguém aquilo que lhe pertence por direito. E quando não somos gratos a Deus por tudo, estamos lhe negando a glória que lhe é devida. Portanto, ser ingrato é ser injusto.
       A ingratidão rouba de Deus aquilo que por direito lhe pertence: o reconhecimento de que Ele merece ser honrado como Deus. Em Romanos 1.21 está escrito que embora os homens conhecessem a Deus, não o honraram como Deus nem lhe deram graças (ou lhe foram gratos)...
       Por isso a ingratidão se configura uma espécie de ateísmo. Ser ingrato é resultado de não levar em consideração a Pessoa mais importante do mundo e da nossa vida. É ignorar a Deus e Sua revelação. É ser indiferente Àquele a quem devemos vida, respiração e tudo o mais (Atos 17.25).
       Já a gratidão evita a injustiça, pois reconhece que Deus merece toda a honra, glória e elogios pelo que ocorre em nossa vida. Ela admite e confessa que todo presente bom e todo dom perfeito é lá do alto, que desce do Pai das luzes... (Tiago 1.17). Estes presentes são dados a nós sem nenhum mérito de nossa parte, mas por pura graça de Deus. E a reação adequada a esta graça só pode ser a gratidão. A ingratidão é receber o presente e nem dar muito obrigado.
       Com a gratidão confessamos que Deus é soberano, sábio e bom. E Ele usa esta soberania, sabedoria e amor para levar a efeito o melhor para seus filhos. Mesmo quando a situação é dolorosa e desconfortável, o filho de Deus, embora sem entender todos os detalhes, será grato a Ele, e não irá escurecer o Seu plano com palavras sem conhecimento (Jó 38.2).
       Agradecer a Deus por tudo é uma questão de justiça. Portanto, ser ingrato é ser injusto.








3 comentários:

Anônimo disse...

Olá Pr. Almir,

Tenho sido muito edificada com seu blog, tantas meditações que nos trazem pra mais perto do nosso Grande Deus.
Que Ele te use sempre.
Em Cristo,
Flávia Boaventura (Sem. Thompson)

Cleyton disse...

Bom, muito bom. Que esta conciência do Ser de Deus e da provisão divina seja um motivador constante em nós a fim de que expressemos nossa gratidão. Continue refletindo e expondo... Isto abençoa vidas.

Anônimo disse...

Pastor Almir;
Estou estudando com um colega (Pedro Gomes Neto, da igreja Batista do Novo Juazeiro, acho até que o senhor o conhece.) sobre dons espirituais e o batismo do Espírito Santo. Sei que o senhor é um pastor muito inspirado por Deus (segundo depoimentos do meu colega) e por isso venho lhe pedir que me ajude nesse meu estudo, enviando material de consulta sobre o assunto para o meu e-mail:
debora-s.costa@hotmail.com. Pode enviar tudo o que tiver, quanto mais, melhor. Também quero que o senhor me envie algo sobre as divisões de igrejas: fundamentalistas, tradicionais, pentecostais, neopentecostais, neoapostólicas e carismáticos, dizendo quais são as igrejas que pertencem a cada ramo do cristianismo. Muito obrigada desde já e que o Senhor Jesus continue a te usar para abençoar vidas.
Em Cristo,
Débora Silva Costa