sábado, 9 de fevereiro de 2008

A TOTAL PROTEÇÃO DE DEUS

Você se sente seguro? Penso que a resposta a esta pergunta seria um grande NÃO. Vivemos ameaçados por assaltos, acidentes, doenças, injustiças, perdas de pessoas queridas, perdas de empregos e posses, etc. Além destes perigos mais individuais, há os coletivos: aquecimento global, epidemias, catástrofes, e a incerteza do futuro, etc. Não há como ter sensação de segurança.
A segurança não é um problema novo. Os humanos convivem com os perigos desde que desobedeceram a Deus. Esta insegurança acompanhava o peregrino que ia para adorar em Jerusalém. No entanto, ousadamente ele canta uma segurança total (Salmo 121). Ele confia que Deus seguramente lhe protege. Categoricamente ele afirma que Deus o livra de todo mal. Quero destacar três declarações neste salmos que afirmam a total proteção de Deus na vida de seus filhos.
“De dia não te molestará o sol nem de noite a lua.” O peregrino canta que Deus nos guarda dos perigos diurnos e noturnos. Os perigos do dia são representados sol. A região do peregrino era castigada pelo sol. Os trabalhadores da agricultura e da pecuária sofriam com o calor (Cant 1.6; Mat 20.12). O sol poderia molestar a ponto de levar ao desmaio (Jonas 4.8), e à morte por insolação (2 Reis 4.19,20). Jacó chegou a dizer que o sol o consumiu (Gênesis 31.40). Também era instrumento de disciplina (Deut 28.22), e de modo figurado indicava a crueldade dos homens (Isaías 25.4).
Já os perigos da noite foram representados pela lua. Na época acreditava-se que as fases da lua poderiam causar distúrbios mentais. Deste conceito vieram termos como “aluamento”, “lunático”, “aluado” e “no mundo da lua”. Também havia as feras que saiam para a caça durante a noite (Salmo 104.21), e o frio que também poderia consumir alguém (Gênesis 31.20).
“O SENHOR te guardará de todo mal, guardará a tua alma” esta é outra ousada afirmação que o peregrino faz. O termo “mal” tanto pode se referir a pecado como a infortúnios e calamidades, como a perda da família (Rut 1.21; 1 Reis 17.20); dores físicas (Núm 16.15) e emocionais (Gên 43.6); ferimentos físicos (Jer 39.12); aflição (Am 6.3); e calúnia (Sal 109.20). De todos estes males Deus promete nos guardar. O Senhor guardará a nossa alma”, refere-se a totalidade da vida. O Senhor Jesus Cristo reafirmou esta verdade quando disse que “não se perderá um só fio de cabelo da vossa cabeça.” (Lucas 21.18).
O SENHOR guardará a tua saída e a tua entrada, desde agora e para sempre. ”A expressão “saída e entrada” indicava o movimento dos exércitos, que saiam das cidades protegidas por muros para ir à guerra, e a saída de pessoas da mesma cidade para enfrentar as estradas desprotegidas. Também era usada para abranger todos os movimentos e extensão da vida humana (2 Sam 3.25; Deut 28.6; 1 Sam 29.6). Este guardar não apenas inclui toda a extensão de espaço, mas também de tempo, agora e sempre. Não apenas a viagem do peregrino a Jerusalém e sua volta ao lar, mas também a viagem eterna.
Estas afirmações nos deixam perplexos, porque sabemos que vários e muitos destes males têm acontecido na vida dos filhos de Deus, a própria Bíblia dá testemunho disto (Hebreus 11.35-38). Como conciliar a afirmação de que Deus nos guarda de todo mal, com o fato de que vários filhos de Deus foram mortos, presos, torturados, caluniados, etc.?
A vida de Jacó pode nos ajudar a entender isto. Ele testemunhou que Deus o havia guardado de todo mal (Gên 48.16). Mas, sabemos que sua vida não foi das mais fáceis. Teve que fugir de seu irmão, várias vezes foi enganado por seu sogro, teve que fugir deste também, numa luta com um anjo saiu com um defeito físico que carregou pelo resto da vida, seus filhos lhe causaram muito desconforto, ficou sem ver seu filho preferido por vários anos, sua família quase ficou sem alimentos, e várias outras aflições. Como ele pode dizer que Deus o havia resgatado de todo mal ?
A promessa de Deus a Jacó em Gên 28.15 nos explica “Eis que eu estou contigo, e te guardarei por onde quer que fores, e te farei voltar a esta terra, porque te não desampararei, até cumprir eu aquilo que te hei referido.”Deus o guardaria para cumprir todo o propósito que Ele tinha para a vida de Jacó. Ele não permitiria que nenhuma das dificuldades impedisse Jacó de receber as promessas que Deus lhe havia dado. No final, depois de passar por tantas aflições, foi cumprido o gracioso propósito de Deus na vida de Jacó.
Também somos peregrinos numa caminhada, subindo também. Caminhada também cheia de perigos, de ameaças. Mas também temos um guarda, um protetor. Que nos guarda sempre e de todo mal. Por isso temos segurança e certeza que chegaremos a nossa Jerusalém celestial.
Nada poderá separar-nos dos propósitos de Deus. Ainda daremos topadas, torceremos o pé; sofreremos o calor e o frio; ficaremos doentes; seremos perseguidos. Ainda enfrentaremos o descaso que são encarregados de cuidar da segurança e justiça; pessoas loucas com armas na mão para tirar o que é nosso, até nossa vida; falhas humanas que podem produzir acidentes; doenças que atrapalham todos os nossos planos; pessoas que nos caluniam; etc. Mas o plano de Deus se cumprirá em nossas vidas. A água só pode afundar um navio se entrar nele. Assim as dificuldades só nos afundarão se entrarem em nós. Contamos com a Total Proteção de Deus.
Conta-se de uma menina que estava viajando num navio onde o capitão era seu pai. Numa noite uma horrível tempestade açoita o navio. As ondas sobem e jogam água dentro do navio, o vento forte parece deixar o navio sem rumo. Todos se acordam e ficam apavorados. Ela também acorda, esfrega os olhos e pergunta o que está acontecendo, respondem dizendo que é uma grande tempestade. Ela então faz nova pergunta: Meu pai ainda está no leme? Respondem: Sim, ele está. Ela volta para sua cama e logo adormece.

Se nos quisessem devorar demônios não contados,
Não nos podiam assustar, nem somos derrotados, Defende-nos Jesus, o que venceu na cruz, Senhor dos altos céus, e sendo o próprio Deus, Triunfa na batalha.

Nenhum comentário: