quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

A GRANDE FIDELIDADE DE DEUS

          Há um cântico, normalmente entoado pelas crianças, que diz: O amor de Deus é maravilhoso, tão alto que não se alcança, tão baixo que não tem fundo e tão largo que não tem lado.          O mesmo se pode dizer da fidelidade de Deus. A fidelidade de Deus é grande. Quando a Bíblia fala que Deus é Fiel, está dizendo que Ele é genuíno, sempre fala a verdade e cumpre suas promessas. Fidelidade é essencial em Deus. Ele não seria Deus se não fosse Fiel.          Esta fidelidade é grande em abrangência. O Salmo 145.13, segunda parte, diz: O SENHOR é fiel em todas as suas palavras e santo em todas as suas obras. Nós, por causa de nossa natureza pecaminosa, não somos fiéis em tudo que fazemos. Algumas vezes mentimos para escapar de uma culpa, ou de uma responsabilidade, ou até por brincadeira. Mas Deus é Fiel em tudo que faz.          Sua fidelidade é grande em extensão. Lemos no Salmo 36.5: A tua benignidade, SENHOR, chega até aos céus, até às nuvens, a tua fidelidade. Nossa fidelidade nem sempre aguenta grandes distâncias ou alturas. Nem sempre suporta grandes testes. Muitas vezes, somos fiéis quando é fácil ser fiel, quando as condições nos ajudam na fidelidade. Já a fidelidade de Deus, ultrapassa as nuvens. Não há limites para ela.          A fidelidade de Deus também é grande em tempo. Nem sempre nossa fidelidade resiste ao teste do tempo. A demora diante de certa expectativa pode nos fazer infiéis. Mas não é assim com Deus. A fidelidade de Deus sempre permanece, resiste. Ela não é mutável. Não é determinada pelas circunstâncias. Isso é declarado no Salmo 119.90: A tua fidelidade estende-se de geração em geração.          Como a fidelidade de Deus é grande, devemos esperar nela quando em aflição (Lm 3.1-23). Nesse texto, o profeta Jeremias narra sua grande aflição (versos 1-17). Ao descrever seu sofrimento, ele faz questão de enfatizar a soberania de Deus. Ele, claramente, indica que Deus está permitindo seu sofrimento, que é Deus quem o machuca. Depois, nos versos 18-20, ele mostra a reação imediata a este sofrimento em forma de desânimo. Considera que sua energia não voltará mais. Ele não tem mais esperança. As aflições povoam sua mente, e isto o abate ainda mais.          Mas há outra lembrança que chega a sua mente (versos 21-23), e esta lembrança reaviva a sua esperança. Esta lembrança faz com que ele adquira o ânimo novamente: Isto quero trazer de volta ao meu coração por isso tenho esperança (21). Isso que ele traz de volta ao seu coração é a lembrança das misericórdias de Deus e que elas se renovam a cada manhã, e a lembrança de que grande é a fidelidade de Deus.          A fidelidade de Deus é grande e pode reanimar a nossa esperança diante das aflições. Quando sentir-se desanimado por causa das aflições, das lembranças tristes, ou mesmo por causa das decepções causadas por infidelidades das pessoas, recobre o ânimo lembrando e confessando a grande fidelidade de Deus.

2 comentários:

Anônimo disse...

Aleluia... realmente nosso Senhor é fiel e digno para cumprir tudo o que lhe apraz.

RUI disse...

Sou testemunha da imensurável fidelidade de Deus,em minha vida, apesar de mim. Obrigado, SENHOR!