terça-feira, 4 de novembro de 2008

UM DIA A MORTE VAI MORRER


Ela é uma intrusa na festa da vida. Sua presença não foi planejada pelo Criador. O projeto era comermos da árvore da vida e vivermos para sempre. Mas o homem se revoltou contra a vida, que é Deus, então a morte entrou no mundo (Gn 2 e 3). Foi por causa do pecado de nossos primeiros pais que ela invadiu nossa existência. E cada um de nós, ao pecar, abriu a porta da nossa vida, e ela, sem cerimônias, entrou  (Rm 5.12; 1 Co 15.21,22).
Ela é uma sombra que paira constantemente sobre nós, toldando o sol da vida (Mt 4.16). Já nascemos com a certeza de que mais cedo ou mais tarde nos encontraremos com ela. Só não sabemos quando. Em cada encruzilhada tememos encontrá-la. Quando ela chega bem perto, mas se desvia de nós, respiramos aliviados. Ufa! Não foi desta vez. Mas sua voz continua soando em nossos ouvidos, mesmo que abaixemos ao máximo o seu volume: um dia me encontrarei com você.
Ela é nossa inimiga permanente(1 Co 15.26). Apesar de fazermos tudo para esquecê-la, ela é uma presença inescapável, um processo de corrupção que enfrentamos continuamente (2 Co 4.11-12). Cada dia que vivemos é um dia que morremos. De fato a morte é um estado no qual nos encontramos (Jo 5.24; Ef 2.1,5). Sempre que ela chega traz tristeza (Mc 5.38; Jo 11.19-25), mesmo quando o próprio moribundo a preside (Gn 49.33-50.1).
Ela nos escraviza com o medo (Hb 2.15). Para os gregos, ela era o Thánatos, (de onde vem para nossa língua “tanatologia”), poderoso rei do Hades, que era o lugar não visto, que ficava depois do túmulo, rodeado de altos muros, com um enorme portão de ferro e um monumental cadeado. A morte tinha a posse das chaves. Ela saia para dar voltas nos campos, vilas e cidades, aprisionava as pessoas e as trancafiava ali, e jamais sairiam.
Ela é invencível diante de nossos esforços. Tentamos conquistá-la com nossas forças, achar a vida por nossas obras. Mas, ela nos ferroa com seu aguilhão, e injeta seu veneno (1 Co 15.56; Rm 7.9,10).
Mas, ela foi vencida. Jesus morreu, e venceu a morte. Deus rompeu as angústias (traduzido “grilhões”) da morte em Jesus, pois ela não tinha poder para segurá-Lo  (At 2.24). Através da morte de Jesus fomos reconciliados novamente com a vida, que é Deus (Rm 5.10). Cristo tornou inoperante seu poder (2 Tm 1.10). Ele provou a morte no lugar dos homens, e assim desarmou aquele que tem o poder da morte, libertando os homens da escravidão da morte (Hb 2.9,14,15) Na morte de Cristo, a morte nos foi derrotada! Por isso, quem crê em Cristo, obedecendo a Sua Palavra, entra no estado de vida, e não provará a morte eternamente (Jo 5.24; 8.51,52). Porque para estes, a morte de Cristo foi também a morte deles (Rm 6.3-9).
Embora ela continue atuando, ela já está derrotada. Como uma fera ferida que continua a atacar, até que um dia ela será devorada pela vitória de Cristo (1 Co 15.54). É Ele, e não o Tánatos, que tem a chave da morte e do Hades, como diz Apocalipse 1.17,18: "Não temas; eu sou o primeiro e o último, e aquele que vive; estive morto, mas eis que estou vivo pelos séculos dos séculos e tenho as chaves da morte e do inferno." Um dia, a morte e o Hades darão contas dos mortos que neles estão, devolverão estes mortos para serem julgados, ela, a morte, será lançada no lago de fogo, que é a segunda morte. Assim a morte provará de seu próprio veneno, a morte morrerá definitivamente. Apocalipse 20.13,14 "Deu o mar os mortos que nele estavam. A morte e o além entregaram os mortos que neles havia. E foram julgados, um por um, segundo as suas obras. Então, a morte e o inferno foram lançados para dentro do lago de fogo. Esta é a segunda morte, o lago de fogo."
Assim, estamos seguros em Jesus, por causa Dele a morte não nos separa do amor de Deus, "Porque eu estou bem certo de que nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as coisas do presente, nem do porvir, nem os poderes, nem a altura, nem a profundidade, nem qualquer outra criatura poderá separar-nos do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor." Romanos 8.38,39. Através dela podemos glorificar o nome de Deus (João 21.19; Filipenses 1.20), por isso devemos ser fiéis a Ele, mesmo que isso nos leve à morte física, pois assim estaremos livres da morte eterna "Não temas as coisas que tens de sofrer. Eis que o diabo está para lançar em prisão alguns dentre vós, para serdes postos à prova, e tereis tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: O vencedor de nenhum modo sofrerá dano da segunda morte."  (Apocalipse 2.10,11). 
No novo mundo de Deus, não haverá morte "E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram." Apocalipse 21.4

11 comentários:

ana cristina disse...

Olá Papi,
muito bom estas meditações.Essa da morte então.Posso indicar para algumas amigas da escola em que trabalho? Sabecomo é, sempre tem alguém precisando de algumas palavras de conforto.
Abçs

Marcos Aurélio disse...

Pastor Almir,
o bom uso da palavra escrita leva-nos a refletir sobre verdades tão profundas.
Mais uma vez parabéns por este texto escrito de forma muito relevante.
Gostei logo do início, quando escreveu que:
"A morte é uma intrusa na festa da vida."

Um abraço.

roberia disse...

Quando li este edital fiquei tão imprecionada e feliz ao mesmo tempo que ao dormir passei a noite sonhando, quer dizer, tendo pesadelo, de que a morte me perseguia e acordei na madrugada assustada, li a Bíblia e me acalmei. É bom saber que Cristo já venceu a morte e ela terá o seu fim, mais ainda, teremos que passar por ela se Cristo não voltar antes, enquanto isto, vou tentar servir a Deus com mais vigor até que a morte nos aproxime de uma vez. Obrigada por nos ensinar a confiar em Deus e sermos mais que vencedores.

Jorge Fernandes disse...

Pr. Almir,
Interessante como, não apenas pelo título mas pelo conteúdo, o seu texto é semelhante ao meu (sei que o irmão não leu o meu texto, e somente li o seu agora), o que evidencia a obra que Deus realiza em nossas vidas. É claro que há diferenças na abordagem, mas o objetivo é somente o de glorificar o nosso Senhor Jesus Cristo.
Deixo-lhe o link do meu texto para que o leia: http://kalamo.blogspot.com/2008/10/morte-da-morte.html
Que Deus o abençoe imensamente.
Abraços.

Jorge Fernandes disse...

Pr. Almir,
Desculpe-me a falha, mas na pressa indiquei o link errado (apesar do tema parecido), o correto é este: http://kalamo.blogspot.com/2008/09/voc-est-morto.html
Abraços

Francisco Fabiano Fontes Feitosa disse...

Diante de varios velórios que já fui só este ano. Essa palavra só veio a consolar o pregador.(eu)
Que diante de muitos velórios as vezes acorda propenso à incredulidade.
Abraços!!!
(obg por mais uma aula)

mangauva disse...

Prezado Pastor Almir,
Gostei muito da parte que diz "cada dia que vivemos é um dia que morremos".
Um grande abraço,
Márcio Amorim

eliana varela disse...

Pr. Almir, o texto é bastante edificante...que o Senhor Deus continue vos inspirando. Um forte abraço.

Fátima Regina disse...

A morte é uma intrusa na festa da vida.Mas o dono da festa não permite que ela permaneça, pois não pode invadir a eternidade onde Cristo reina.

Que Deus o abençõe por nos lembrar sempre que o autor da vida nos guarda até o final, ao que crê.

amorim disse...

que bela mensagem pastor!
DEUS te abençoe em todu
seu trabalho fica com DEUS
abraço

Bianca Monteiro disse...

Bom seria que todos que utilizam as tecnologias parassem com as redes sociais pelo menos 20 minutos para ler algo que os edificaram. Precisamos buscar a Deus para que quem nos veja tenha o Deus de beber desta água, onde a fonte jamais seca. Deus abençoe pela mensagem, e que ela fixe em todos os corações que leram. Amém!