terça-feira, 9 de junho de 2009

JESUS E A ORAÇÃO


Quem lê os evangelhos irá notar que Jesus era uma pessoa de oração. Podemos ver que ele orou em vários momentos, e de várias formas. Orou em público e em particular; orou em pé e de joelhos; orou em lugares desertos nos arredores de cidades e nos montes; depois de milagres portentosos e antes de grandes decisões; orou antes de iniciar uma cruzada evangelística e após passar o dia ensinando no templo; orou antes de enfrentar a cruz e durante a cruz; orou por si mesmo e orou pelos discípulos; enfim, Jesus orava muito.

Ele valorizava tanto a oração que em épocas de muitas atividades ele se levantava quando ainda era escuro, para poder orar o suficiente, antes de ser interrompido ( Mc 1.35,36). Ele priorizava tanto a oração que mesmo quando seus discípulos enfrentavam grande perigo em alto mar ele continuou orando do cair da tarde até as três horas da manhã, quando então foi socorrer os discípulos ( Mt 14.22-24; Mc 6.45-48; Jo 6.16-19). Ele acreditava tanto no poder da oração que levou seus três discípulos mais chegados para orarem com Ele no momento mais difícil de sua vida ( Mt 26.40,41).

Para ele a oração era mais importante do que atender a multidão ( Lc. 5.15s), isto não porque não quisesse ajudar a multidão, já que Ele tinha compaixão dela ( Mt 9.36), ou porque não julgasse necessário cumprir sua missão ( Jo 9.4), mas porque Ele acreditava que a melhor maneira tanto de ajudar a multidão como de cumprir sua missão era com oração.

A oração foi a forma como Ele se defendeu das pressões que procuravam levá-lo a realizar Sua obra de outra maneira ( Jo 6.15).

Ele tanto ensinou como demonstrou a verdade de que não precisamos de espectadores quando oramos, pois ele procurava lugares solitários para orar, e disse que devíamos orar assim ( Mt 6.6).

Otto Borchert, na excelente análise que faz da pessoa de Jesus, no livro O JESUS HISTÓRICO, indica três atitudes sobre Jesus e Sua vida de oração.

Para Jesus, orar era amar. Ele orava por pessoas ( entre muitos exemplos, podemos citar Jo 17, onde Ele orou até por nós ), através da oração buscava ajudar as pessoas que passariam por dificuldades ( orou por Pedro sabendo que ele iria negá-lo, Lc 22.32), mesmo na hora da morte orou pelos que o feriam ( Lc 23.34). A preocupação de Jesus não era fazer uso de Deus através da oração, mas desfrutar da comunhão com Deus, a oração era uma demonstração de que Ele amava a Deus, além do próximo.

Para Jesus, orar era se apropriar. Era uma busca pela ajuda de Deus crendo que Deus poderia ajudar. Era um grito de socorro pela ajuda do Pai. A agonia era o momento de orar com mais intensidade ( Lc 22.44), a oração era o modo de enfrentar o pavor e a angústia ( Mc 14.33).

Para Jesus, orar ser se sacrificar. Ele sacrificava a Sua vontade para fazer a vontade do Pai ( Lc 22.42). Ele colocava-se a disposição do Pai para glorificá-Lo ( Jo 17.1).

Que tal aprendermos com o Mestre o valor e significado da oração?

Um comentário:

Francisco Fabiano Fontes Feitosa disse...

Pr. Almir, fico feliz por ter esse livro, por indicação sua. Tenho tentado crescer diante dessa pratica, a oração ,em todo o tempo e momentos da minha vida.Ah! Fui edificado pelas mensagens em audio "Cultivando o amor a Deus com boas companhias e Causas do esfriamento do amor a Deus"
Deus abençoe
Fabiano Feitosa