terça-feira, 15 de janeiro de 2008

CONHECER A DEUS, UM ALVO DESAFIADOR

                       O ano ainda está no primeiro mês, já marcou seus alvos?
              Há um alvo que é extremamente desafiador: conhecer a Deus. O próprio Deus ordena este alvo Pois misericórdia quero, e não sacrifício, e o conhecimento de Deus, mais do que holocaustos   (Os 6.6). Ele valoriza o conhecimento d'Ele mais do que rituais e holocaustos. Este foi o desafio que Ele lançou para o povo de Israel na época do profeta Oséias. Era o conhecimento de Deus que iria restaurar o povo, e não os rituais religiosos vazios.
            Conhecer a Deus é resultado da graça Dele. Agora, pois, se achei graça aos teus olhos, rogo-te que me faças saber neste momento o teu caminho, para que eu te conheça e ache graça aos teus olhos; e considera que esta nação é teu povo (Ex 33.13). Moisés estava atravessando um momento de crise, por causa da idolatria do povo de Israel, e da reação de Deus de não mais querer acompanhar o povo. Ele pede um sinal da graça de Deus, este sinal era conhecer o caminho de Deus. A graça de Deus se manifesta quando Ele se dá a conhecer a nós.
            Este conhecimento exige uma busca de todo nosso ser, pois é um conhecimento extremamente precioso De lá, buscarás ao Senhor, teu Deus, e o acharás, quando o buscares de todo o teu coração e de toda a tua alma (Dt 4.29). Deus é o mais alto valor que existe, e Ele não se desvaloriza. Ele se dá a conhecer a quem O valoriza na medida que Ele merece. Devemos buscar conhecer a Deus de todo nosso coração. É conhecimento que deve ser buscado como se busca riquezas, como tesouros escondidos (Pv 2.4,5)
                     O conhecimento de Deus mata a sede da nossa alma 
      Como suspira a corça
pelas correntes das águas,
assim, por ti, ó Deus,
suspira a minha alma.
  A minha alma tem sede de Deus,
do Deus vivo;
quando irei e me verei
perante a face de Deus? 
(Sl 42.1,2). 
Nossa sede por conhecimento e compreensão só é saciada conhecendo a Deus.
                  Mas lembre-se que conhecer a Deus envolve perdas 
Mas o que, para mim, era lucro, isto considerei perda por causa de Cristo.Sim, deveras considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; por amor do qual perdi todas as coisas e as considero como refugo, para ganhar a Cristo e ser achado nele, não tendo justiça própria, que procede de lei, senão a que é mediante a fé em Cristo, a justiça que procede de Deus, baseada na fé; para o conhecer, e o poder da sua ressurreição, e a comunhão dos seus sofrimentos, conformando-me com ele na sua morte; para, de algum modo, alcançar a ressurreição dentre os mortos. (Fp 3.7-11). 
Paulo teve que deixar aquilo que era lucro no conceito do mundo, e de sua vida antiga, para obter o conhecimento de Deus.

Nenhum comentário: