sábado, 13 de maio de 2017

FIRMES E SEGUROS COMO UMA MONTANHA

Várias vezes as Escrituras usam os elementos da natureza para ilustrar verdades espirituais. Um dos exemplos está no Salmo 125. O adorador peregrino, quando subia para cultuar em Jerusalém, notou que a cidade estava assentada numa montanha e rodeada por outras. Isso dificultava que fosse atacada e fornecia aos seus habitantes a sensação de segurança. Seus antigos moradores chegaram a considerá-la inconquistável. O salmista usou este aspecto geográfico para ilustrar a segurança daqueles que confiam em Deus.
Neste salmo, o que confia também é chamado de justo, bom e reto de coração e que não se desvia para caminhos tortuosos (versos 3-5).
Na língua do Antigo Testamento o verbo “confiar” descreve tanto a atitude exercida como o resultado causado por ela. 
Confiar em Deus significa depender e apoiar-se n’Ele. Encontrar n’Ele o centro de apoio, firmeza e solidez de que precisamos. Quem confia, derrama o seu coração diante de Deus por acreditar que n’Ele está o refúgio de que necessita. Por confiar em Deus, a pessoa segue o que Ele diz, mesmo em situações de escuridão e tempestade. A confiança leva o fiel a obedecer a Deus, fazendo o que é correto, afastando-se de tudo que desonra a Deus,  apegando-se a Ele com afeição e lealdade em todas as situações. E quando surgem dificuldades e perigos na vida, aquele que confia expressa em oração o seu pedido de socorro.
Confiar também significa a segurança que advém desta confiança. Quem confia desfruta do sentimento de bem-estar, tranquilidade, descanso sem preocupação e sem medo diante das ameaças.
Esta segurança é demonstrada em firmeza e estabilidade na vida. Enquanto os que confiam em Deus são comparados ao monte de Sião, que não se abala, mas permanece para sempre, os que não confiam são comparados à areia que não oferece apoio suficiente a uma casa diante de uma tempestade, às ondas do mar que não conseguem se estabilizar,  também à palha que é facilmente levada pelo vento de um lado para o outro, e ainda a um bêbado que mal consegue se manter equilibrado (Mateus 7.26,27; Tiago 1.8; Salmo 1.4; Isaías 24.19).
A segurança é resultado da proteção de Deus. Tal como os montes estavam rodeando Jerusalém, o Senhor também rodeava o seu povo. Ele pode fazer isso enviando anjos para acampar ao redor dos seus, como fez para proteger seu servo Eliseu (2º Reis 6.16-18; Salmo 91.11).
Para dar segurança ao Seu povo, Deus punirá e afastará o mal deste mundo. Ele não permitirá o domínio permanente do ímpio.  Os que se valem da maldade não têm a proteção do Senhor, por isso não se estabelecerão neste mundo de modo definitivo. Os ímpios         serão desarraigados desta vida. Para proteger as ovelhas é preciso mandar os lobos embora. O mesmo Deus que protege, também condena.  
Deus também guarda o que n’Ele confia para que não caia no pecado. Desse modo, aquele que confia não se afastará do caminho para ter um comportamento contrário ao correto (Mc 13.20;1 Co 10.13). Guardado pelo Senhor, o fiel permanecerá e receberá o bem. 
Podemos confiar em Deus, pois nesta confiança está a nossa segurança.  Nos braços de Deus encontramos descanso e proteção (Dt 33.12), só Ele pode nos dar um sono sossegado e tranquilo (Salmo 4.8).

Quando as preocupações chegarem, vamos lembrar: É Teu, somente Teu, todo trabalho, O meu trabalho é descansar em Ti. Nas dúvidas, depressões, incertezas e problemas devemos  olhar para o que Deus é e para o que Ele já fez e não para os nossos sentimentos. Lembrando que nada nem ninguém poderá nos dominar a fim de nos afastar de Deus. Nem meus sentimentos, nem minha dor e nem meu sofrimento, pois para os filhos de Deus, o pior nunca dura.

Nenhum comentário: