quinta-feira, 4 de outubro de 2007

FORMADO E CONFORMADO. DEFORMADO OU TRANSFORMADO?

Todos nós temos uma escolha que ninguém, a não ser Deus, pode tirar de nós: a de decidir em que pensar. Você é capaz de dirigir sua atenção e mantê-la no que você quiser, e também é livre para aceitar ou rejeitar as ideias que quiser. Concentrar-se é uma escolha sua.
Esta liberdade é poderosa, pois ela faz de você o que você pensa. O que colocamos em nossa mente determina o que somos. Nossos sentimentos são governados por nossos pensamentos e não o inverso. Concordo com o escritor disse A mente é a janela do coração,  pois por ela entram as informações que formam nossa vida (Pipper, Ao encontro de Deus, 174).

Todos nós fomos inicialmente formados por Deus (Salmo 139.13). Ao entramos no mundo recebemos muitas informações. Nossa tendência é nos conformamos a elas, deixarmos nos amoldar aos padrões e paixões deste mundo. E assim ficamos deformados. Tanto Paulo como Pedro nos advertiram a não nos deixarmos modelar  pelos padrões deste mundo.
"E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus." (Romanos 12.2)
"Como filhos da obediência, não vos amoldeis às paixões que tínheis anteriormente na vossa ignorância." (1 Pedro 1.14).
Literalmente eles nos advertiram a não nos conformarmos aos esquemas do mundo, e não nos submetermos à forma  das paixões dos tempos da falta de conhecimento.
Ao invés disto devemos ser transformados, literalmente "metamorfoseados", isto é, sujeitarmo-nos a uma mudança de forma. Assumir uma forma que reflita a glória de Cristo (2 Coríntios 3.18), tal como Jesus no monte da transfiguração, quando os discípulos puderam vê-Lo em glória (Mateus 17.2).
Como ocorre esta transformação? Pela renovação da mente, isto significa "tornar a mente nova" e "diferente". É esta renovação do espírito e da mente que nos faz ser o novo homem que Deus quer que sejamos (Efésios 4.23).
Em termos de caráter, cada um de nós é o que escolheu ser. Cada vez que permitimos uma ideia ficar em nossa mente, esta ideia nos formou no que somos. Nem sempre esta escolha foi consciente, mas sempre foi uma escolha. Algumas vezes  ativamente optamos por ficar com determinado pensamento, outras vezes passivamente deixamo-nos levar pelas ideias dos outros, mas sempre fomos nós os responsáveis pelas escolhas que fizemos, e isto nos (de) formou no que somos.
Pela graça de Deus, podemos agora ser (trans) formados no que Deus quer que sejamos. Para isto devemos resolutamente assumir o compromisso de concentrar nossa mente na Palavra de Deus.

Resolva que você será resoluto a respeito do que a sua mente considera. Ela se deterá em algo e se transformará naquilo em que se deter. (Pipper, Ao Encontro de Deus, 175)

2 comentários:

fatima disse...

Muito interessante a colocação de um termo tão em MODA,você é aquilo que deseja ser, e assim muitas vezes somos o deformado conformado, uma vez que os nossos moldes são as determinações mundanas, realmente não escolhemos,onde ou de quem nascer, pois esses itens comprometem literalmente nossa formação , mas Jesus Cristo trouxe toda sinalização necessária no seu caminhar, como não bastasse deixou seu manual, para que através dele pudessemos entender a grande verdade de libertação: a sua palavra obedecida promove tranformação

Diego dy Carlos disse...

Muito interessante o jogo de palavras com “forma”.
Infelizmente não são três palavras para termos um sermão de 3 pontinhos ;-)

Acredito que se a “fôrma” do mundo possui qualquer forma que seja (por mais atraente que se mostre), a “fôrma” do cristão sempre será em forma de Cruz.