segunda-feira, 19 de novembro de 2007

OS MONTES PODEM NOS PROTEGER ?

          Um jogo interessante e que exige nossa atenção é aquele que aparece em algumas revistas, onde se deve encontrar os erros. Dois desenhos bem parecidos são apresentados e temos que achar as diferenças entre eles. Quero pedir que você encontre a diferença entre estas duas leituras do Salmo 121.1:
  Elevo os meus olhos para os montes, de onde me virá o socorro.
 Elevo os meus olhos para os montes: de onde me virá o socorro?        
          Você notou que a diferença está nos sinais do meio e do final das frases. Pois, estes dois sinais fazem toda a diferença. Algumas pessoas podem ter uma crença errada por conta de uma leitura errada. Uma coisa é olhar para os montes afirmando que lá está nosso socorro, outra é olhar para eles procurando socorro.        
             O contexto do salmo nos indica que o socorro buscado aqui era em termos de proteção e segurança. A vida nem sempre nos dá a sensação de ser segura. Enfrentamos momentos de insegurança.
            Na vida de peregrinos este senso de insegurança aparece de forma mais intensa. Perdemos nossas referências quando estamos no meio de pessoas estranhas e em lugares desconhecidos. Situações diferentes geram incertezas e ansiedades. A falta de familiaridade com as circunstâncias nos leva à desconfiança.           Os peregrinos que caminhavam para adorar em Jerusalém enfrentavam perigos tais como assaltantes e acidentes naturais, assim a insegurança lhes sombreava (Lc 10.30). Por causa disto alguns levantavam seus olhos para os montes buscando socorro (Sl 121.1).
           As montanhas emanavam uma sensação de segurança por conta de sua majestade e altura. Simbolizavam poder. Pessoas, coisas, e reinos grandiosos eram comparados às montanhas (Jr 51.25; Zc 4.7; Dn 2.44). Diante de perigos até reis buscavam refúgio nos montes (Gn 14.10). Os montes também eram associados aos deuses. Na Palestina eram adorados por nações vizinhas à Israel. Os altares dos deuses eram feitos nas montanhas. Alguns levantavam os olhos para os montes buscando a proteção dos deuses que ali eram cultuados (Ez 18.15).
           Apesar da aparência, os montes desapontam. A proteção oferecida por elas era uma ilusão (Jer 3.23). As montanhas também eram símbolos de obstáculos (Mt 21.21). Elas poderiam também esconder ameaças servindo de esconderijo para vagabundos, ladrões e quadrilhas. Por isso o senso de segurança que proporcionavam era dúbio. Confiar nos montes era candidatar-se ao desapontamento.
           Por isto o peregrino canta que sua segurança está em Deus (Sl 121.2). A mesma coisa que Davi cantou (Sl 11.1). Deus é maior do que as montanhas. Ele quem criou as montanhas (Sl 65.6), e as pesou (Is 40.12). E é Ele quem as despedaça (Hab 3.6); remove-as (Jó 9.5); pisa sobre elas (Mq 1.4) e acaba com elas (Is 40.4).
           Todo sistema de segurança humana é como os montes. É bom tomar precauções: cinto de segurança; capacete na moto; cuidar da saúde; ter sistemas de alarme; recorrer aos encarregados da segurança, empresas de seguro, etc. Vamos lembrar que Deus usa estas coisas para nos guardar. Os recursos humanos são meios, usados por Deus, mas nossa confiança não deve estar nos meios, e sim naquele que dispõe dos meios. Pois os meios humanos são ambíguos. Pessoas já morreram por mau funcionamento do cinto de segurança; por capacetes falhos; por cuidados de saúde que se demonstraram errados; por sistemas de alarme que não funcionaram; por descuido nos encarregados da segurança.        
            Nossa confiança deve estar em Deus, que já existia antes dos montes e continuará existindo depois deles (Sl 90.1).

3 comentários:

Silene disse...

MARAVILHA... Como é bom saber que:"O meu socorro vem do SENHOR que fez os céus e a terra."
Pastor Almir obrigada pelas belas mensagens.

Diego dy Carlos disse...

"...Eis que estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos" (Mat. 28.20)

A presença certa do nosso Cristo é a segurança e a força que precisamos para a dura peregrinação neste deserto. É encantador a maneira como Ele se agrada em proteger e amar tão frágeis pecadores.

Deus lhe abençoe, pastor.

Anônimo disse...

São muito edificantes essas meditações, nos dão realmente uma certeza da proteção do nosso bondoso e amoroso. que o Nosso Deus continue usando o amado irmão como esse instrumento para sua glória.